Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Inflação em Angola deverá subir para quase 23% em 2017 - Governo

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/10/2017 Administrator

O Governo angolano reviu em alta o valor da inflação esperada para este ano, para 22,9%, mas também prevê angariar mais receita fiscal com a exportação petrolífera, face às metas inscritas no Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2017.

As novas estimativas fazem parte do Plano Intercalar do executivo a seis meses (outubro a março), para a melhorar a situação económica e social do país, aprovado a 10 de outubro, na primeira reunião do conselho de ministros presidida pelo novo chefe de Estado, João Lourenço.

O documento eleva a previsão da inflação (janeiro a dezembro de 2017) para 22,9%, contra os 15,8% inscritos no OGE para este ano, definido pelo Governo anterior, liderado pelo então Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

Apesar de rever em alta a inflação - segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) a inflação a um ano, até setembro, rondava os 25% -, essa previsão fica longe do valor de 2016, quando os preços em Angola, segundo o INE, dispararam 42% entre o início e o fim do ano, devido à crise financeira, económica e cambial que o país atravessa.

O documento com o Plano Intercalar do executivo a seis meses, ao qual a Lusa teve acesso, refere que "algumas medidas de política necessárias e inadiáveis podem ser impopulares" e por isso "politicamente sensíveis", desde logo a introdução e alterações nos regimes fiscais.

Nas previsões que consta deste plano, o Governo refere esperar alcançar um crescimento económico de 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 revê em alta o preço médio do barril de petróleo a exportar, que passa da meta de 46 dólares, inscrita no OGE, para uma previsão de 48,4 dólares.

Depois de uma quebra no PIB petrolífero em 2016 (-2,3%), a previsão do Governo angolano passa agora por um crescimento ténue, de 0,6%, este ano, enquanto o PIB não petrolífero deverá aumentar 1,6%, face aos 1,2% do próximo ano.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon