Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Israel reabre Esplanada das Mesquitas, muçulmanos contestam medidas de segurança

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/07/2017 Administrator

Israel reabriu hoje a esplanada das Mesquitas em Jerusalém, fechada depois de um atentado mortífero, mas as novas medidas de segurança, que incluem detetores de metais e câmaras de vigilância, desencadearam uma disputa com as autoridades muçulmanas.

Segundo a AFP, a multidão gritou "Allah Akbar" (Deus é grande) quando os primeiros visitantes entravam no local sagrado.

Israel decretou na sexta-feira, dia de oração muçulmana, o encerramento da Esplanada das Mesquitas, após um ataque em que morreram os três assaltantes e dois polícias num incidente fora do comum dentro da Cidade Velha de Jerusalém.

O presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, ligou ao primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, para expressar a sua "completa condenação do ataque" e advertir para as consequências de fechar o lugar no dia em que milhares de fieis se deslocam ao recinto sagrado para rezar.

Netanyahu declarou que tomaria "todas as medidas necessárias para manter a segurança no Monte do Templo (denominação judaica para a esplanada)", o qual está sob custódia da Jordânia e ao qual os judeus podem aceder, mas não orar no recinto.

A ampla esplanada alberga a Mesquita de Al Aqsa e o santuário da Cúpula da Rocha e é considerada o terceiro lugar mais sagrado do Islão.

Para o judaísmo é o Monte do Templo, a cujos pés se encontra o Muro das Lamentações, num recinto separado, onde às sextas-feiras milhares de crentes se deslocam também para rezar com o início do shabat (sábado de descanso) ao entardecer.

Os fiéis muçulmanos oraram na manhã de sexta-feira na rua, nas imediações da cidade muralhada, face à impossibilidade de a ela acederem porque os acessos continuam bloqueados pelas forças de segurança israelitas após o ataque.

A União Europeia (UE) condenou o ataque, qualificando o ato de "profanação de lugar sagrado".

"O ataque terrorista contra agentes da polícia israelita na Esplanada das Mesquitas não é só um crime contra pessoas em serviço, mas também uma profanação deste lugar sagrado", afirmou em comunicado a porta-voz da alta representante da União para a Política Externa, Federica Mogherini.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou para o risco de uma escalada da violência entre israelitas e palestinianos depois do ataque em Jerusalém.

A administração norte-americana condenou no sábado o ataque, e pediu "tolerância zero" perante o terrorismo, considerando-o "incompatível" com o objetivo da paz entre israelitas e palestinianos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon