Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

João Sousa reconhece que teve muitos altos e baixos diante de Struff

Logótipo de LusaLusa 17/09/2017 Ana Marques Gonçalves
PETER SCHNEIDER/KEYSTONE © EPA / PETER SCHNEIDER PETER SCHNEIDER/KEYSTONE

Oeiras, Lisboa, 17 set (Lusa) – João Sousa lamentou hoje não ter jogado ao melhor nível na derrota frente a Jan-Lennard Struff e apontou a estabilidade do alemão como chave para o desfecho do encontro do ‘play-off’ do Grupo Mundial da Taça Davis em ténis.

“Foi um encontro em que não entrei bem. Entrei apático, cansado, e depois consegui reagir de uma forma positiva. Comecei a jogar bastante melhor, sem tantos erros, e as coisas equilibraram-se. Estive a um ponto de vencer o encontro… e no quinto ‘set’ ele foi mais feliz do que eu”, analisou o número um nacional.

A derrota de João Sousa com Jan-Lennard Struff, por 6-0, 6-7 (3-7), 3-6, 7-6 (8-6) e 6-4, em três horas e 14 minutos, custou a Portugal o apuramento para o Grupo Mundial, com o 57.º tenista mundial a ‘culpar’ a sua instabilidade pelo resultado.

“Ele foi bastante constante durante todo o encontro. Ele gosta de jogar os pontos rápido. Eu tive muitos altos e baixos, até metade do segundo ‘set’ nem lá estava. Depois consegui recuperar e jogar ao meu nível”, admitiu.

O principal jogador luso assumiu que o cansaço do encontro de pares, disputado no sábado, e a pressão de estar obrigado a vencer o duelo com Struff para manter vivas as esperanças de Portugal no ‘play-off’ com a Alemanha pesaram no 6-0 do primeiro parcial.

“É uma mistura de tudo. Ontem [no sábado] tivemos um encontro difícil de digerir, depois de termos estado tão perto da vitória. Hoje, o meu ânimo não era o melhor. Sabia que tinha de estar muito bem para vencer. Daí ter perdido por 6-0. Felizmente, soube reagir e dar a volta [no segundo ‘set’]”, disse.

Apesar de ter sido por um ponto – teve ‘match point’ no ‘tie-break’ do quarto ‘set’ – que a vitória não caiu para o seu lado, Sousa atribuiu mérito ao adversário por ter vencido.

“A Taça Davis é uma competição diferente, muito exigente. São três dias seguidos e não é fácil, mas tanto eu como o Struff jogámos três encontros”, sublinhou.

O vimaranense confessou ainda ter ficado particularmente desiludido com a derrota de hoje, uma vez que chegar ao Grupo Mundia era o grande objetivo da seleção nacional.

“Infelizmente, não consegui jogar ao meu melhor nível. É assim, não podemos ser felizes todos os dias”, concluiu.

AMG/AYCO // JP

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon