Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Joachim Low: "Portugal é uma grande equipa"

Sportinveste 15/06/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia
Joachim Low: "Portugal é uma grande equipa" © Sportinveste Multimédia Joachim Low: "Portugal é uma grande equipa"

O treinador Joachim Low garante que a seleção alemã estará "a cem por cento" no jogo de segunda-feira frente à "grande equipa" de Portugal, em Salvador, que marcará a estreia de ambos no Mundial2014.

"Durante o estágio tivemos alguns problemas com lesões, que afetaram Neuer, Lahm, Khedira, Schweinsteiger, mas eles já foram ultrapassados e amanhã estarão todos a 100 por cento", assegurou o selecionador germânico, em conferência de imprensa realizada no estádio Arena Fonte Nova, palco do jogo da primeira jornada do grupo G.

Tal como aconteceu com o estágio de Portugal, que girou em torno das dores musculares na coxa esquerda e da uma inflamação no tendão rotuliano de Cristiano Ronaldo, a preparação da Alemanha foi monopolizada pelas lesões e as ausências forçadas, a última das quais a do influente Marco Reus. "É importante evitar as lesões, porque podem ser um sério percalço. Estes dias de preparação foram muito importantes, porque permitiu fazer crescer o espírito de grupo e a competição entre os jogadores. Esta é uma tarefa que exige os 23 jogadores se quisemos concretizar os nossos objetivos", advertiu.

Se as ausências e eventuais limitações de jogadores nucleares prometem constituir-se como o fantasma alemão durante a fase final caso os bons resultados não apareçam, Low observou que se há seleção que se pode revelar imune a tantas contrariedades é a sua. "Nos últimos anos mostrámos que somos uma equipa com muitas alternativas. Se formos consistentes durante todo o torneio, acredito que seremos um adversário muito difícil de bater", assinalou o treinador da Alemanha, que se tornará na segunda-feira a primeira seleção a disputar 100 jogos no Campeonato do Mundo.

Joachim Low lembrou que escolheu um conjunto de futebolistas com "características muito diferentes" e que, por isso, tem um leque muito alargado de escolhas, que pode adaptar "em função do adversário ou da forma como está a decorrer o jogo": "Precisamos de um onze, mas também de suplentes e aí temos excelentes opções".

A variedade da Alemanha, tricampeã mundial (1954, 1974 e 1990), começará a ser testada dentro de 24 horas, frente à seleção portuguesa e nem as vitórias germânicas nos últimos três confrontos em fases finais dos dois maiores torneios internacionais (Mundial2006, Euro2008 e Euro2012), deixam o técnico mais descansado. "Vamos enfrentar uma grande equipa. Será um confronto entre o número dois e o número quatro no ranking da FIFA, mas, se jogarmos coletivamente, defendermos bem e aproveitarmos as oportunidades que tivermos no ataque, podemos ir muito longe nesta prova", sustentou.

A temperatura elevada e a possibilidade de chuva forte, como a que caia em Salvador na altura da conferência de imprensa, também não preocupam o selecionador da Alemanha, nem tão pouco a hora pouco habitual a que se vai realizar o encontro, às 13:00 horas (17:00 em Portugal continental). "Vimos que os jogadores demoraram alguns dias para se adaptarem ao clima e ao fuso horário. Há por aqui muita humidade e muito calor, mas o facto de ser à hora do almoço não será problema, porque estamos bem preparados para enfrentar este clima", notou.

O avançado Miroslav Klose, que tem 14 golos marcados em edições anteriores do Campeonato do Mundo, pode igualar ou bater o recorde de 15 remates certeiros do brasileiro Ronaldo em fases finais do Mundial, mas Joachim Low advertiu que "o mais importante é o sucesso da equipa". "É um jogador modelar, muito dedicado nos treinos e que é vital para equipa. É extraordinário que possa ser o maior goleador de todos os tempos e ficarei contente por ele, mas essas estatísticas para mim são secundárias. É a equipa que precisa de ser bem sucedida", assinalou.

O selecionador alemão reconheceu que existe uma "ansiedade crescente" à medida que se aproxima o jogo, mas lembrou que já só faltam algumas horas para o seu início e que hoje, com o treino no relvado do Arena Fonte Nova, já se está a viver um "pontapé de saída emocional" e a sentir "a febre do Mundial".

Fonte: O JOGO

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon