Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Jogadores do Chaves ficaram "em lágrimas"

Logótipo de O Jogo O Jogo 10/04/2017 O Jogo
© LUSA/Homem de Gouveia

Treinador-adjunto dos flavienses, Tiago Aguiar, reconheceu que "os erros pagam-se caro"

Por estar castigado, Ricardo Soares não orientou a sua equipa do banco de suplentes. No final, o treinador do Chaves contou com Tiago Aguiar, um dos seus adjuntos, para fazer a análise ao jogo que os transmontanos perderem, por 2-1, no Funchal, contra o Marítimo. "Fomos melhores em tudo. Tivemos mais bola, o dobro dos remates, mais do dobro dos cantos. Só não fomos superiores na eficácia. O resultado é injusto. Mais uma vez, fomos melhores e acabámos por ser penalizados. A este nível, os erros pagam-se caros".

Ainda sobre as falhas na finalização, o adjunto de Ricardo Soares afirmou: "Faltou marcar. Tivemos imensos remates à baliza. O guarda-redes do Marítimo fez três ou quatro defesas e eu só me lembro de uma defesa do Ricardo [guarda-redes do Desportivo de Chaves] e já com o jogo a acabar".

Depois, Tiago Aguiar elogiou a qualidade exibicional da sua equipa. "Depois do que aconteceu na última terça-feira [eliminação da Taça de Portugal] só um grande grupo de trabalho é que consegue impor o seu jogo, em casa do Marítimo. Custa entrar no balneário no fim do jogo e ver os nossos jogadores em lágrimas mais uma vez", contou.

Por fim, as contas do campeonato: "O nosso objetivo não é o sexto lugar, mas antes os 40 pontos e estamos a quatro. Vamos lutar por eles nos seis jogos que faltam".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon