Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Jorge Jesus fez-me abrir os olhos"

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/08/2017 Alcides Freire

André, avançado que passou meio ano no Sporting, não poupa nos elogios ao treinador português

André não teve uma passagem muito famosa pelo Sporting, mas nem por isso deixa de elogiar o treinador Jorge Jesus. Para o avançado brasileiro, o treinador dos leões foi fundamental para a sua carreira.

"Eu vou fazer 27 anos mês que vem. E nesta idade temos de ter a carreira definida. É como se fosse o meio para o fim. Então, temos de estar bem preparados. O momento em que eu amadureci foi agora em Portugal, que conheci um grande treinador [Jorge Jesus, do Sporting], que me fez abrir os olhos para essa questão física e tática. Por mais que não tenha sido tanto tempo, foram seis meses lá, mas eu aprendi muito com ele e é por isso que agora digo que vejo o futebol de maneira diferente", começou por dizer, em declarações ao portal Goal.com.

André explicou o que mudou após conhecer o treinador do Sporting.

© Fornecido por O jogo

"Eu acho que é uma coisa mais tática e física. Antes eu não me cuidava em termos de alimentação, descanso... essas partes de peso (...) Então não adianta você estar "mais ou menos" hoje porque vão te atropelar. É por isso que eu falo que eu vejo o futebol de outra maneira", rematou.

Por fim, o avançado, que marcou três golos com a camisola do Sporting, revela o que pensa ter corrido menos bem nas duas "aventuras" pela Europa.

"Fui para a Ucrânia com 19 anos, não queria ir. Não venho de uma família rica e na época ofereceram-me um salário cinco vezes maior do que eu ganhava no Santos. É difícil recusar um valor assim. Eu tive dificuldades de me adaptar lá, o clube não me deixou voltar para o Brasil, emprestaram-me para a França mesmo sem eu querer ficar na Europa. Na França, um grande país e um grande clube. Mas quando não estás com a cabeça no lugar, as coisas acabam por não acontecer", acrescentou.

"Agora em Portugal foi engraçado, porque fui para um grande clube, mas cheguei lá e o atacante que concorria comigo [Bas Dost] só perdeu para o Messi em golos marcados no ano (risos). Então é difícil explicar, é complicado. Eu vi que ia ficar mau para jogar. São situações que acontecem, infelizmente", concluiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon