Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Jornalista da BBC em tribunal na Tailândia acusado de difamação

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/08/2017 Administrator

Um jornalista da BBC compareceu hoje num tribunal na Tailândia para o início do seu julgamento por difamação, na sequência de uma ação interposta por um advogado devido a uma reportagem sobre estrangeiros enganados em negócios imobiliários.

Jonathan Head, correspondente britânico da BBC para o Sudeste Asiático, enfrenta até cinco anos de cadeia na ilha de Phuket.

Grupos de direitos humanos disseram que o caso expõe a forma como as leis que punem a difamação e crimes informáticos condicionam o jornalismo de investigação e tornam mais difícil descobrir ilegalidades num país endemicamente corrupto.

A acusação surgiu na sequência de uma notícia de Head que detalhava como dois reformados estrangeiros tiveram as suas propriedades roubadas por uma rede de criminosos e oficiais corruptos.

Uma das vítimas, o britânico Ian Rance, é coarguida no caso.

Ambos declararam-se não culpados.

Uma cópia da queixa de Pratuan à qual a AFP teve acesso, alega que a reportagem da BBC fez com que o advogado fosse "difamado, insultado ou odiado".

Pratuan recusou falar sobre o caso a caminho do tribunal. Além disso, advertiu os fotógrafos de que iria processar quem publicasse imagens dele.

Head e Rance também não falaram aos jornalistas.

Num comunicado anterior, a BBC defendeu o jornalismo que pratica e informou que tem a intenção de limpar o nome do seu correspondente.

Rance e Head enfrentam uma acusação de difamação, punida com até dois anos de prisão.

Head enfrenta uma acusação adicional no âmbito de uma lei abrangente contra os crimes informáticos, que proíbe a publicação 'online' de "dados falsos" e pune com até cinco anos de prisão essas infrações.

Em 2001, Ian Rance decidiu passar à reforma na Tailândia e casou-se com uma tailandesa que falsificou a sua assinatura para vender a sua propriedade naquele país com a ajuda de credores de dinheiro e de agentes imobiliários, numa operação em larga escala.

A mulher passou quatro anos na prisão e o homem reformado lutou durante anos nos tribunais para poder recuperar os seus bens.

Na reportagem, Head informou que o advogado Pratuan Thanarak reconheceu que a assinatura do pensionista era falsa, o que lhe valeu uma acusação de difamação.

O julgamento deverá durar três dias, não havendo uma data fixada para a sentença.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon