Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Justiça britânica condena seis pessoas por pagamento de subornos em Angola

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/09/2017 Administrator

A multinacional F.H. Bertling e seis antigos colaboradores foram considerados culpados pela justiça britânica pelo pagamento de subornos a um "agente" da petrolífera angolana Sonangol, entre 2005 e 2006, para obterem contratos.

De acordo com informação disponibilizada pelo Serious Fraud Office (SFO) - autoridade especializada em fraude e corrupção complexa na Justiça britânica -, consultada hoje pela Lusa no seu sítio oficial na internet, na origem do processo estão pagamentos efetuados a um "agente" da petrolífera angolana com o objetivo de garantir contratos de 20 milhões de euros da Sonangol.

De acordo com a mesma informação do SFO, dando conta da condenação - as penas serão definidas posteriormente - os funcionários Jose Morreale e Stephen Emler declararam-se culpados neste processo a 01 de setembro de 2016, o mesmo acontecendo a 17 de março de 2017 com Joerg Blumberg, Ralf Petersen (entretanto falecido), Dirk Juergensen e Marc Schweiger.

A 01 de agosto último, a F.H. Bertling - multinacional de origem alemã da área da logística e transportes - também se declarou culpada neste processo instaurado pela Justiça britânica.

"A F.H. Bertling procurou obter contratos através de suborno. A prática de corrupção por empresas britânicas como esta prejudica a reputação do Reino Unido como um lugar seguro para fazer negócios e distorce o mercado, sem mencionar os danos que causa nos países onde os subornos são pagos", afirma o diretor da SFO, David Green.

A informação sobre a condenação foi disponibilizada pela SFO na terça-feira, dia em que, em Luanda, João Lourenço foi empossado como novo Presidente de Angola, cerimónia durante a qual prometeu que o combate ao crime económico e à corrupção será uma "importante frente de luta" e a "ter seriamente em conta" no mandato de cinco anos que agora inicia.

"A corrupção e a impunidade têm um impacto negativo direto na capacidade do Estado e dos seus agentes executarem qualquer programa de governação. Exorto por isso todo o nosso povo a trabalhar em conjunto para estripar esse mal que ameaça seriamente os alicerces da nossa sociedade", afirmou João Lourenço, já investido como terceiro Presidente da República de Angola.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon