Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Justiça investiga sobrefaturação de muitos milhões na recuperação do Maracanã

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/03/2017 Hugo M. Monteiro

Foram divulgados documentos que revelam indícios de desvios de dinheiro em serviços e produtos.

A remodelação do Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, teve uma sobrefaturação de cerca de 60 milhões de euros, segundo investigação do Tribunal de Contas regional divulgada por vários órgãos de informação.

A televisão Globo divulgou documentos que revelam indícios de desvios de dinheiro em serviços e produtos, sobrefaturados, bem como adição de cláusulas suspeitas ao contrato de um projeto a cargo das construturas Odebrecht, Andrade Gutiérrez e Delta, todas implicadas no escândalo de corrupção em torno da petrolífera nacional Petrobras.

A remodelação do Maracanã foi estimada em cerca de 210 milhões de euros, mas o preço final saldou-se em 357 milhões. O Tribunal de Contas do estado do Rio de Janeiro já determinou a suspensão de pagamentos às construtoras em outros contratos com o governo regional.

As finanças querem que o consórcio devolva 57 milhões de euros aos cofres públicos, depois de o tribunal já ter determinado o arresto de recursos obtidos com a venda da concessão do estádio.

Os documentos revelados pela Globo mostram que as irregularidades começaram logo com o projeto básico de reforma, já que o mesmo sofreu "significativas alterações", todas com maiores custos para o erário público.

© REUTERS/Nacho Doce

Aqui, destaca-se o previsto aproveitamento da arquibancada original do estádio que acabou substituída por uma nova que custou 78 milhões de euros, valor cinco vezes superior à estrutura semelhante do estádio da Cidade do Cabo, usada no Mundial'2010.

As investigações ao caso de corrupção da Petrobras resultaram em revelações de ex-responsáveis da Andrade Gutiérrez, segundo as quais o governo do Rio de Janeiro favoreceu o consórcio, formando-se um cartel entre as construtoras para orientar a licitação mediante subornos.

Esta denúncia levou à prisão do ex-governador Sérgio Cabral, tal como o seu secretário de obras regional, Hudson Braga.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon