Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

LeBron contra Trump: "São as pessoas que fazem este país, não é um indivíduo, muito menos ele"

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/09/2017 O Jogo
© REUTERS/Mark Blinch

Estrela de Cleveland, que já tinha chamado "vagabundo" ao presidente dos EUA, saiu em defesa dos jogadores da NFL

No dia em que as equipas da NBA se dedicaram à Imprensa, LeBron James, de Cleveland, pronunciou-se sobre a polémica instalada entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e os jogadores da NFL.

"São as pessoas que fazem este país, não é um indivíduo. Muito menos ele", disse o King, considerando ainda "muito poderoso o que os atletas estão a fazer". "Não se trata de desrespeito pela bandeira ou pelos militares e pessoas que servem este país. É sobre igualdade", acrescentou.

De recordar que Trump considerou que os jogadores que não ouvissem o hino nacional de pé - um gesto que remonta 2016, quando Colin KaePernick, quarterback dos San Francisco 49ers, se ajoelhou em protesto contra os assassinatos de vários negros por polícias brancos - deviam ser todos despedidos.

Esta é a segunda resposta de LeBron James ao líder dos EUA num curto espaço de dias. "Vagabundo, o Stephen Curry já disse que não ia. Ir à Casa Branca era uma grande honra até tu apareceres", escreveu na rede social Twitter, depois de Trump ter anunciado que não ia receber os Golden State Warriors, campeões da NBA.

Esta segunda-feira, LeBron fez saber que não está arrependido das palavras utilizadas.

Fora a tensão entre Trump e os atletas da NBA e NFL, o jogador contou ainda que não estava à espera da saída de Kyrie Irving para Boston, reforçou que pretende terminar a carreira na franquia do Ohio e salientou que adoraria ter Dwyane Wade como colega.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon