Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Leis sobre direito do trabalhador a "desligar" baixam à comissão sem votação

Logótipo de O Jogo O Jogo 20/10/2017 Administrator

Os projetos de lei sobre a regulação do descanso do trabalhador, ou direito a "desligar", baixaram hoje por 90 dias, sem votação, à comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social.

Todos os partidos proponentes, BE, PAN, PS, BE e CDS, propuseram a baixa à comissão sem votação, aprovada por unanimidade.

Depois de o diploma baixar à comissão, os deputados têm um prazo de três meses para fazer o trabalho de especialidade, negociando alterações aos diplomas.

No final do processo, o plenário vota na generalidade, especialidade e votação final global.

O parlamento discutiu hoje alterações ao Código de Trabalho propostas pelos seis partidos, que incluem a regulação do descanso, com o PS a propor que os funcionários possam ser, neste período, abordados pela entidade patronal por via "digital".

PCP e BE discordam do projeto de lei dos socialistas, que apelaram hoje, através da deputada Vanda Guimarães, a um consenso nesta matéria.

Nas votações, foi aprovado um projeto de resolução, do PCP, que recomenda ao Governo a adoção de medidas que garantam o suprimento efetivo dos horários de trabalho e a conciliação do trabalho com a vida familiar.

Só o PSD votou contra o ponto 1 do texto, que recomendava a "reposição da obrigatoriedade de entrega, por parte das entidades patronais à ACT, em cada ano civil, dos mapas de horários de trabalho" em vigor nos locais de trabalho.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon