Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Londres defende sanções a Pyongyang mas mantém todas as opções em aberto

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/09/2017 Administrator

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico defendeu hoje a via das sanções para abordar a crise com a Coreia do Norte, apesar de sublinhar que "todas as opções" estão em aberto, após o novo teste nuclear de Pyongyang.

"A nossa visão no Reino Unido é que os meios pacíficos e diplomáticos são a melhor opção. Pensamos que o caminho das sanções, ainda assim, tem potencial", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, em declarações à cadeia de televisão Sky News.

O membro do Governo britânico argumentou que a China é responsável por 90% do fluxo comercial da Coreia do Norte e que Pyongyang só tem "reservas de petróleo para uns seis meses", havendo "espaço para continuar a exercer pressão sobre o regime" norte-coreano.

"Nenhuma das opções militares é boa. É correto dizer que todas as opções estão em cima da mesa, apesar de não vermos uma solução militar simples", disse Boris Johnson, alertando que a detonação de uma bomba de hidrogénio por parte da Coreia do Norte pode representar uma "ameaça de um novo tipo".

Segunda a agência de notícias espanhola Efe, durante a entrevista à Sky News, o ministro britânico classificou de "temerário" o teste norte-coreano, o sexto teste atómico e o segundo termonuclear do regime de Kim Jong-un.

Boris Johnson instou a que o "senso comum" prevaleça nesta crise.

"Nos 30 anos de história em que a Coreia do Norte procurou conseguir armas nucleares, houve momentos difíceis e momentos em que eles voltaram atrás. Estamos a trabalhar para ver se podemos alcançar algum senso comum", referiu.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico apelou ainda a um intensificar dos esforços diplomáticos internacionais e instou o regime chinês a aumentar a sua pressão sobre Pyongyang.

"O que dizem sempre os chineses é que existe uma espécie de equivalência dos exercícios militares americanos e sul-coreanos com os testes nucleares da Coreia do Norte", disse.

No entanto, Boris Johnson não aceita essa ideia.

"O que fazem os sul-coreanos é completamente legítimo. É pacífico e é feito há vários anos. Não representa uma provocação ilegal", afirmou.

A Coreia do Norte anunciou hoje ter testado, com sucesso, uma bomba de hidrogénio desenvolvida para ser instalada num míssil balístico intercontinental.

O anúncio do "total sucesso" do teste de uma bomba de hidrogénio, conhecida como 'bomba H', foi feito pela pivô da televisão estatal norte-coreana, horas depois de Seul e Tóquio terem detetado uma invulgar atividade sísmica na Coreia do Norte.

Segundo a KCTV, o ensaio nuclear, o sexto conduzido pelo regime de Pyongyang, foi ordenado pelo líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Este ensaio nuclear provocou reações adversas da comunidade internacional.

Os governos da Coreia do Sul e do Japão já anunciaram que vão solicitar uma nova reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon