Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Lopetegui perguntou-se se eu não queria virar espanhol"

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/04/2017 Alcides Freire

O protagonismo conseguido no FC Porto devolveu Casemiro ao Real Madrid com outro estatuto. O sucesso tem sido tal que Lopetegui, que o treinou em Portugal, até já brincou com ele: "Não queres ser espanhol?"

Casemiro é um dos indiscutíveis das opções de Zidane no meio-campo do Real Madrid, estatuto conseguido em parte à boleia do êxito alcançado com a passagem pelo FC Porto. Entrevistado pelo "Globoesporte", o brasileiro assumiu que mantém com os dragões uma relação afetiva forte. "O FC Porto é um clube que, quando você sai, continua a torcer. A cidade e o pessoal que trabalha lá vive o clube. Fiquei um ano e tenho contacto até hoje. A assistência que dá fora de campo é extraordinária e proporciona muitas coisas", elogiou, destacando também o papel de Julen Lopetegui, ex-técnico portista e atual selecionador espanhol. "Aprendi muito. Ele é chato com tática, está sempre a cobrar; foi uma aprendizagem excelente", conta. E diz mais: "Numa das conversas que tivemos depois que voltei para o Real Madrid, ele brincou: "Não queres virar espanhol?""

© REUTERS/Juan Medina

Fanático por futebol - "a minha mulher reclama porque até o campeonato belga eu vejo" -, Casemiro conta que está a aprender inglês e parte da justificação é, no mínimo, curiosa. "É muito importante. Não só para falar com os árbitros, mas na vida. É bom ter um diálogo melhor com os árbitros", explicou, destacando Marcelo, Danilo e os portugueses do Real Madrid - Ronaldo, Pepe e Coentrão - como amigos de referência. No final dos jogos, assume ainda, corre para as estatísticas. "Sou muito ligado. Gosto de ver, principalmente os meus erros. Gosto de ver primeiro os passes errados", confessa. "Se no jogo eu erro mais do que quatro passes, no dia seguinte o míster já está... "Perdeu muita bola, tem que melhorar"."

Crescer sem pai foi, assume, uma mágoa que o fez valorizar ainda mais o papel da mãe. E jogar o Mundial é agora a meta de sonho.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon