Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Luís Filipe Vieira abre as portas a Rúben Amorim

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/04/2017 Hugo Monteiro

O fim da ligação ao Benfica e a reforma do antigo camisola seis, aos 32 anos, foram oficializados ontem pelo próprio. Integração na estrutura do clube é cenário lançado pelo líder das águias.

© Tony Dias/Global Imagens

Acabou! Ao início da tarde ontem, Rúben Amorim confirmou a notícia avançada horas antes pela edição online de O JOGO, assumindo que, aos 32 anos, dá como terminada a sua carreira de futebolista, devido essencialmente a limitações físicas. O anúncio foi feito depois de o ex-médio afinar com o Benfica os detalhes da revogação do contrato, iniciado há nove anos, que os unia até 30 de junho de 2018. No fecho de um ciclo, o presidente dos encarnados, Luís Filipe Vieira, disse a Rúben Amorim que, para ele, as portas do clube estarão sempre abertas, concedendo-lhe a possibilidade, caso queira continuar ligado a esta atividade, de se integrar futuramente na estrutura do futebol, iniciando-se pelo sector de formação, apurou O JOGO.

Num comunicado simples, o antigo camisola seis das águias tornou oficial o desfecho que se aguardava há alguns meses, mais concretamente desde que finalizou a passagem pelo Al-Wakrah, do Catar, onde participou em 14 desafios. "Gostaria de vos informar que, após rescisão do contrato laboral que me vinculava ao Sport Lisboa Benfica, decidi terminar a minha carreira desportiva como jogador. Foi uma decisão difícil, mas ponderada", salientou Rúben, cujo percurso entrou em declínio derivado a problemas nos joelhos. "Aproveito para agradecer aos meios de comunicação social pela relação cordial que sempre tivemos ao longo dos últimos 14 anos", rematou, na despedida. Já o clube, na sua página oficial na Internet, enalteceu um "benfiquista de sempre", destacando-lhe o "profissionalismo" e a "atitude competitiva".

Estreado na alta-roda no Belenenses em 2003/04, desenvolveu-se nas quatro épocas seguintes no Restelo, induzindo o Benfica a olhar para ele e a arrastá-lo para a Luz em 2008/09. Divergências com o técnico Jorge Jesus, porém, fizeram-no subir no mapa de Portugal em janeiro de 2011, representando o Braga por ano e meio. Regressou em 2013/14 e alinhou em 37 partidas. A quebra, que motivou um adeus precoce, começou em 2014/15.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon