Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Luís Sénica a O JOGO: "Queremos é o título... até debaixo de água"

Logótipo de O Jogo O Jogo 28/08/2017 Hugo Monteiro

Selecionador nacional de hóquei em patins está pronto para o Mundial e para o reencontro com a campeã Argentina. A equipa portuguesa faz dois jogos de treino em Macau.

Para o selecionador Luís Sénica, o Mundial na China envolve uma preparação diferente, cria expectativas, mas na hora de atacar o título nada muda.

O que mais o preocupa neste Mundial num país sem hóquei?

-Vamos esperar que haja adesão do público nestes primeiros Jogos de Patinagem [Roller Games]. Quanto ao resto, estamos preparados para variáveis como a pista, que não sabemos se é rápida ou lenta, o jet lag e outras. Mas vamos superar tudo.

© Tony Dias/Global Imagens

O que espera do estágio de Macau?

-O objetivo é acertar o relógio biológico e estreitar laços com os amigos de Macau com quem faremos dois jogos.

Entrar a defrontar a Argentina é mau?

-Não vejo problemas. Não gosto de entrar com jogos fáceis. Prefiro jogos competitivos, de elevada intensidade, porque, a partir daí, tudo é possível corrigir, tanto para nós como para a Argentina.

Argentina, Itália, França, como classifica os adversários da fase de grupos?

-Portugal e Argentina estão na primeira linha com Itália muito colada e França muito colada a Itália. Não diferem meio ponto umas das outras.

Como vai ser o reencontro com Carlos Nicolia [após incidentes em Montreux]?

-Vamos encontrar grandes jogadores. Vou gostar de ver de novo Carlos López. Não se vai passar nada mais do que hóquei.

Por que leva ao Mundial três guarda-redes?

-Simples. São três grandes guarda-redes que sustentam a necessidade de manter este ritmo e assegurar o futuro e porque a China é lá longe e o lugar é tão específico que, se acontece alguma coisa, teríamos dificuldade em superar. Olhando à época que fizeram e ao fator distância, pareceu lúcido a ida dos três.

Vai ter dificuldade em gerir?

-Será uma gestão pensada, solidária e objetiva. Estamos todos em defesa de Portugal.

Os episódios de final de época ficaram lá fora?

-Há uma relação de amizade de 13/14/15 anos entre estes jogadores. Muitos competem nas seleções desde os 14 anos e é possível termos uma relação social para além do hóquei. Esses laços fazem com que a convergência total seja por Portugal.

Se tiver de festejar o título, tem pena de ter de o fazer do outro lado do mundo?

- Festejamos na China, debaixo de água ou no alto da Torre Eiffel... queremos é o título.

Já pensa numa nova comenda?

-Foi um momento de satisfação e gratidão. Cada um tem em casa essa recordação, mas não mudou nada. Somos os mesmos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon