Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Lula da Silva reconhece erros e diz que Dilma Rousseff traiu os eleitores no Brasil

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/10/2017 Administrator

O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu que a sua sucessora, Dilma Roussef,f falhou na condução da política económica e traiu os seus eleitores com as medidas fiscais adotadas após vencer as eleições de 2014.

"Sim, é claro que nós falhamos. Nosso maior erro foi exagerar as políticas [de isenções e apoios] a grandes empresas (...) Entre 2011 e 2014, cerca de 428 mil milhões de reais (114 mil milhões de euros) foram exonerados e quando Dilma [Rousseff] tentou acabar com este auxílio, o Senado [câmara alta parlamentar] não o permitiu", disse Lula da Silva numa entrevista ao jornal espanhol El Mundo.

"O segundo erro ocorreu quando a Presidente anunciou o ajustamento fiscal e traiu o eleitorado que a elegeu em 2014, ao qual prometemos manter as despesas [públicas]. Dessa forma, começamos a perder credibilidade", completou.

A declaração foi feita em resposta a questões sobre a condução do Governo brasileiro na gestão de Dilma Rousseff, presidente eleita duas vezes que acabou destituída pelo Congresso em agosto de 2016 deixando o país numa grave crise fiscal.

O ex-chefe de Estado brasileiro também revelou que chegou a pensar em se candidatar nas presidenciais de 2014, mas desistiu por pensar que Dilma Rousseff merecia tentar a reeleição.

Sobre a sua possível candidatura nas próximas presidenciais, a condenação de 9 anos e seis meses de prisão por corrupção e o seu suposto envolvimento em outros casos relacionados com os desvios da Petrobras, Lula da Silva voltou a dizer que está preparado para governar e que é inocente.

"O julgamento ao qual estou sujeito é uma farsa. Nem a Polícia Federal nem o Ministério Público encontraram uma única prova para me cobrar, razão pela qual eu digo que a decisão do juiz Sérgio Moro é eminentemente política", concluiu.

O ex-presidente lidera as sondagens de opinião nas próximas presidenciais do país sul-americano, que acontece em 2018, mas corre o risco de não poder se candidatar se for condenado em segunda instância pela Justiça brasileira.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon