Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Mais de metade dos imigrantes residentes na Guiné-Bissau vêm da Guiné-Conacri

Logótipo de O Jogo O Jogo 14/07/2017 Administrator

Um estudo conduzido pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Guiné-Bissau concluiu que 54% dos imigrantes da África Ocidental residentes no país são originários da Guiné-Conacri, revelou hoje à Lusa, a coordenadora do trabalho, a investigadora Manuela Mendes.

O trabalho baseou-se nos dados do recenseamento mandado fazer pelo Governo guineense, em 2009, no qual foram analisadas as dinâmicas migratórias entre os cidadãos de países da África Ocidental na Guiné-Bissau.

O estudo concluiu que dos cerca de 40 mil cidadãos estrangeiros legalmente residentes na Guiné-Bissau, até 2009, 35 mil são originários da África Ocidental, nomeadamente da Guiné-Conacri (54%), Senegal (24%), Mauritânia (4,9%), Nigéria (4,5%), Mali (4,1%), Gâmbia (3,1%), e Níger (2,1%).

Segundo o estudo, os cidadãos de Cabo Verde, Burkina-Faso e Togo representam um total de 1,6%, enquanto os da Costa do Marfim, por si só, correspondem à 1,0%.

Todas estas comunidades procuram a Guiné-Bissau "por ser um país atrativo em termos do comércio", a principal atividade a que se dedicam, revelou ainda a coordenadora do estudo.

"Procuram a Guiné-Bissau que é para eles um país atrativo para o comércio, os nativos da Guiné não têm a cultura de vender, enquanto nos outros países o comércio é algo de tradição", precisou Manuela Mendes.

A investigadora adiantou ainda que o estudo concluiu que aquelas comunidades imigradas estão "perfeitamente integradas" na Guiné-Bissau, embora a análise não se tenha debruçado, concretamente, quanto à existência de conflitos, frisou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon