Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Malásia faz nova apreensão de marfim de elefante e escamas de pangolim

Logótipo de O Jogo O Jogo 02/08/2017 Administrator

As autoridades da Malásia anunciaram hoje a apreensão de 23 pedaços de presas de elefantes e 301 quilogramas de escamas de pangolim, no valor de cerca de 845 mil euros.

Mohamad Pudzi, responsável da alfândega malaia, disse que a operação decorreu no armazém de mercadorias do aeroporto de Kuala Lumpur, onde encontraram o marfim, avaliado em cerca de 54 mil euros, que chegou a bordo de um voo da Etihad Airlines, proveniente de Lagos (Nigéria), com escala no Dubai.

No domingo à noite, os agentes confiscaram seis sacas de escamas de pangolim, avaliadas em cerca de 760 mil euros, que chegaram a bordo de um voo da Ethiopian Airlines, oriundo da República do Congo.

Em apenas dois meses, as autoridades malaias apreenderam mais de uma tonelada de escamas de pangolim.

De acordo com o TRAFFIC, grupo que monitoriza o contrabando de produtos de animais selvagens, a Malásia parece ser um porto de trânsito para o comércio ilegal de pangolins e marfim, com os contrabandistas a fazerem circular os produtos por todo o país.

Oito espécies de pangolins vivem na Ásia e África, muito apreciados pelas escamas e carne.

Mais de um milhão de pangolins foram caçados ilegalmente na década passada, deixando a espécie à beira da extinção, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza.

No Vietname e em algumas zonas da China, a carne de pangolim é considerada uma iguaria, enquanto as escamas, ricas em queratina, são usadas na medicina tradicional chinesa.

A procura elevada é a responsável por um aumento acentuado da caça furtiva, o que está a dizimar a população de pangolins.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon