Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Maniche: "Um ano no FC Porto equivaleu a 10 no Benfica"

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/03/2017 Alcides Freire

Antigo intenacional português considera que o FC Porto deu-lhe "tudo o que um jogador ambiciona" e recordou o percurso até à conquista da Liga dos Campeões de 2004, em entrevista ao Porto Canal.

FC Porto como clube único: "Um ano no FC Porto equivaleu a 10 anos no Benfica. Não posso ser ingrato a uma instituição que me tinha dado tudo. Uma casa, um salário, títulos, projeção internacional... Às vezes faz-me confusão quando um jogador diz que está na hora de ir embora. Eu entendo o Jorge Costa, o Vítor Baía, o João Pinto e tenho um respeito tremendo. Tinha uma organização que nunca tinha visto na minha vida até então. Eu às vezes conheço grandes clubes e o FC Porto ainda está 10 anos à frente. Quando cheguei ao FC Porto já tinha quatro ou cinco casas para escolher, para que a minha família se adaptasse rapidamente. O jogador do FC Porto só precisa de jogar e dar o máximo. Daí dizer que o FC Porto me deu tudo. Sou sócio do Sporting, mas sou FC Porto de coração. Não me podem levar a mal quando digo que de coração sou portista. Tudo o que um jogador ambiciona foi o FC Porto que me deu".

© Global Imagens

Regresso às conquistas em 2003: "Sabíamos que o FC Porto não tinha conseguido resultados tão positivos nas épocas anteriores, e nós conseguimos dar alegrias aos adeptos. O Mourinho foi contratar jogadores que nunca tinham vencido nada. Que tinham uma ambição tremenda e que com as condições que tiveram sempre deram mais do que aquilo que podiam".

Jogo com o Marselha em 2003: "Lembro-me que o Jorge Costa disse que o jogador mais difícil que apanhou foi o Drogba e até chegou a dizer que lhe ia dar uma patada para o apanhar. Mas nós fizemos uma exibição com muita personalidade e com um nível exibicional muito acima da média".

Sobre Alenichev: "O Alenichev teve um azar que foi apanhar o Deco a número 10. Não era fácil entrar naquele meio-campo, porque as coisas desenvolveram-se e o Alenichev tinha muita qualidade, mas foi pena porque apanhou uma equipa em que não se podia mexer muito. Foi dos jogadores com quem mais gostei de jogar".

Final da Champions com o Mónaco: "As pessoas não se podem esquecer que nós é que tornámos esse jogo fácil. O Mónaco eliminou o Real Madrid... A equipa que apanhássemos, nós vencíamos. Esse jogo é curioso, porque se não vencêssemos ficávamos para toda a vida com uma mágoa tremenda. Nós sabíamos que podíamos ganhar, mas fomos humildes. Tínhamos confiança. Eu olhava para o Deco e já sabia o que é que ele queria e vice-versa. O Mourinho disse que para ficarmos na história tínhamos de vencer".

O melhor do MSN em qualquer dispositivo


AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon