Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Manuel José e a luta pelo título: "Agora vai ser de metralhadora"

Logótipo de O Jogo O Jogo 17/03/2017 Hugo Monteiro
© Miguel Pereira/Global Imagens

Manuel José foi homenageado em São João da Madeira e deixou duras críticas ao futebol atual.

Manuel José foi esta sexta-feira homenageado, em São João da Madeira, pelo Núcleo de Treinadores de Futebol do distrito de Aveiro que comemorou o 20º aniversário. O técnico que decidiu colocar um ponto final na carreira criticou, ao seu melhor estilo, o ambiente que se vive no futebol, em especial no que respeita à arbitragem. "É uma forma de pressão escandalosa, vergonhosa, e ninguém mexe o dedo para nada. O que fazem a Federação e a Liga? Zero. Empurram com a barriga ou assobiam para o lado. Ninguém mexe uma palha. Para o ano só uma equipa se apurará diretamente para a Champions. Imagine-se a confusão que vai ser. Houve uma altura em que se levou espingardas para o campo, agora vai ser de metralhadora", defendeu.

"Não tenho asas nas costas, nem sou religioso, e já tive vergonha de andar no futebol e hoje o futebol está a transformar-se numa coisa feia. Vale tudo para se conseguir ganhar, principalmente lá em cima para se ser campeão. Tudo serve... Esta coisa dos árbitros é algo impensável. Se fosse árbitro nunca mais apitava. Fazia greve, não no princípio, mas agora, que a época está a fechar, quando faltam dez jornadas, é que ninguém devia dirigir jogos", acrescentou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon