Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Marés Vivas: Pessoas atraídas não só pelos artistas, mas sobretudo pela localização

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/07/2017 Administrator

O Festival Marés Vivas, na Praia do Cabedelo, em Gaia, que começou na sexta-feira, atrai multidões não só pelos artistas em palco, mas sobretudo pela sua localização junto ao Douro que, em 2018, mudará de cenário.

"Não é importante quem vem, gosto do festival por si, pelo ambiente e pelo local, portanto, viria sempre mesmo não gostando dos artistas", disse à Lusa Miguel Poiares, do Porto.

Presença habitual no festival, Miguel Poiares lamenta a mudança de local e teme perder a "magnifica vista" que, todos os anos, o atrai.

"Tenho pena se perdermos esta vista magnífica e este pôr do sol incrível, mas se continuar a ser nesta zona, junto ao rio, nada contra", afirmou.

Os cabeças de cartaz Sting e Scorpions foram quem levaram Pedro Nogueira a comprar, com antecipação, os bilhetes para o festival, mas mesmo que os nomes fossem outros compraria ingressos porque o Marés Vivas "vale por si", afirmou.

"Isto é uma festa, é assim que vejo o festival, claro que se vierem bons artistas uma pessoa fica mais entusiasmada, mas mesmo não vindo o festival vale por si, é muito bom", considerou.

Apesar de ser a segunda vez que vem ao festival, Nuno Lopes está "rendido" porque o acha "diferente" dado ser à beira-rio.

"Vim o ano passado e repeti este ano porque adorei. Está diferente, tem mais espaço, mais bancas, mais tudo", frisou.

Nuno Lopes veio também atraído pela banda inglesa Bastille de quem se diz "fã".

A primeira noite do Marés Vivas arrancou em português ao som de Diogo Piçarra que levou, sobretudo o público mais jovem, à loucura com os seus êxitos como "Dialeto" ou "Tu e Eu".

O ponto alto aconteceu com a banda inglesa Bastille e o seu vocalista a "mergulhar" entre a multidão, mas antes já Tom Chaplin tinha feito vibrar os "festivaleiros" com temas dos Keane.

Esta primeira de três noites encerrou com o português Agir a "obrigar" as pessoas a cantar com ele temas como "Como ela é bela" ou "Tempo é Dinheiro".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon