Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Marcelo confirma ida à posse de Presidente angolano e garante defesa de interesses nacionais

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/09/2017 Administrator

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, confirmou hoje a sua presença na tomada de posse do recém-eleito Presidente angolano e garantiu nunca se sentir desconfortável quando defende os interesses de Portugal. "Nunca me sinto desconfortável quando defendo os interesses de Portugal", frisou o Presidente português, depois de ser confrontado com acusações do vice-presidente da UNITA, Raúl Danda, que, em entrevista à Lusa, considerou que Portugal ...

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, confirmou hoje a sua presença na tomada de posse do recém-eleito Presidente angolano e garantiu nunca se sentir desconfortável quando defende os interesses de Portugal.

"Nunca me sinto desconfortável quando defendo os interesses de Portugal", frisou o Presidente português, depois de ser confrontado com acusações do vice-presidente da UNITA, Raúl Danda, que, em entrevista à Lusa, considerou que Portugal se tem "vergado" nas relações com Angola, colocando-se numa "situação de verdadeira dependência".

Marcelo Rebelo de Sousa recordou, a propósito, que as diversas forças políticas concorrentes às eleições em Angola reconheceram a vitória do MPLA, justificando por isso as felicitações que dirigiu a João Lourenço, o Presidente angolano eleito.

"Felicitei o Presidente, tendo presente que as mais diversas forças políticas reconheceram que houve a vitória de uma força e, de acordo com a lei angolana, bastava uma força política ter mais um voto do que as demais para o cabeça de lista dessa força ser Presidente da República", disse.

Em declarações aos jornalistas, à margem de uma visita que fez à Festa do Outono, que decorre este fim de semana, em Serralves, no Porto, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que "ninguém discutiu, nem a nível internacional, nem a nível interno, que tenha havido uma força vencedora" em Angola.

Tendo sido "respeitada a lei eleitoral e a Constituição" angolana, "há um presidente eleito, e o Presidente da República de Portugal, uma vez convidado, vai à posse do novo Presidente da República de Angola, pensando nas relações fundamentais que existem entre milhares e milhares de portugueses que estão em Angola e também alguns milhares de angolanos que estão em Portugal", acrescentou.

Marcelo referiu ainda que existe "uma relação muito especial no quadro da Comunidade de Países de Língua portuguesa", por isso "Portugal deve estar presente, sempre que possível, na posse dos chefes de estado de países de língua portuguesa".

Nas declarações que prestou à Lusa, o vice-presidente da UNITA considerou que "o facto de lá para trás Portugal ter colonizado Angola não devia fazer com que se jogasse um papel mais ou menos inverso, que é o que eu observo".

"Se surge um órgão de comunicação social a falar de um membro do Governo [angolano], uma alta figura na hierarquia do MPLA, zangam-se, fazem uma birra que nem crianças, agora não queremos mais Portugal e Portugal verga. Quando Angola diz que a ministra não vem, agora não queremos, Portugal verga. Quando gritam agora podem vir para vir à tomada de posse [do novo Presidente, João Lourenço], Portugal verga", afirmou.

Para o dirigente do maior partido da oposição angolano, "por uma questão de dignidade, a determinada altura é preciso que olhemos para os outros de igual para igual".

Atualmente, existe "uma relação de verdadeira dependência de Portugal em relação a Angola" e isso "não é bom", frisou Raúl Danda.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon