Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Mari Alkatiri confirma indigitação pela coligação para liderar próximo Governo timorense

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/09/2017 Administrator

Mari Alkatiri, secretário-geral da Fretilin, partido timorense mais votado, confirmou hoje que aceitou a sua indigitação como primeiro-ministro pela coligação que vai formar o VII Governo constitucional de Timor-Leste.

"Depois de várias consultas eu decidi aceitar ser o candidato a primeiro-ministro", disse hoje Mari Alkatiri, na sede da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) em Díli.

"A escolha da minha pessoa já estava mais que assente (por parte dos três partidos da coligação). O que demorou mais foi a minha decisão de aceitar ou não", disse, explicando que na quarta-feira essa decisão será comunicada ao chefe de Estado, Francisco Guterres Lu-Olo.

Questionado pela Lusa sobre o facto de ter dito, nos últimos meses, que preferia não ser primeiro-ministro, Alkatiri disse que foi muito pressionado.

"Alguém muito conhecido aqui no país disse-me hoje que tinha que avançar e que não havia outra opção para mim. Mas que tinha que estar preparado para a glória ou para ser crucificado", disse.

Alkatiri falava durante uma curta interrupção num encontro que a liderança da Fretilin manteve com os líderes dos partidos da coligação, Partido Democrático (PD) e o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO), respetivamente quarto e quinto mais votados nas legislativas de 22 de julho.

"Hoje, depois desta reunião e de novas consultas com várias personalidades, decidi aceitar a candidatura", disse, referindo que o calendário para a formação do Governo depende agora do chefe de Estado.

Depois de várias semanas de negociações, os três partidos reuniram-se hoje para fechar as negociações de formação do Governo que Alkatiri garantiu à Lusa terá membros dos três partidos mas também "outras personalidades" do país.

"Há personalidades com mérito que vão ser convidadas", disse, escusando-se a avançar nomes.

O executivo, disse, será "menor que o VI Governo", que está atualmente em funções, terá ministros de Estado e começará a ser preenchido depois da reunião de quarta-feira que a liderança dos três partidos mantém com o chefe de Estado.

Questionado sobre o facto de a eleição para o presidente do Parlamento Nacional, na semana passada, ter mostrado alguma falta de coesão na coligação do Governo - entre si representam 35 deputados mas o candidato da Fretilin obteve apenas 33 votos, mais um que o seu rival - Alkatiri disse que se trata de uma processo que "ainda se está a consolidar".

"Não tivemos tempo de consolidar a coligação antes de votar. A coligação foi concluída a 4 e a votação foi no dia 5. Aniceto Guterres é presidente e não é preciso falar mais nisso. A coligação vai-se consolidando no tempo. E votos secretos já não vai haver", explicou.

Alkatiri confirmou igualmente os contornos da quebra nas negociações entre o Partido Libertação Popular (PLP) - terceiro mais votado - que chegou a ser anunciado como membro da coligação (com o KHUNTO e em vez do PD), abandonando depois esse cenário.

O secretário-geral da Fretilin confirmou que o PLP apresentou como exigência que um dos seus líderes - no caso o líder da bancada, Fidelis Magalhães - fosse escolhido como presidente do Parlamento Nacional.

"Não é por não aceitar. Se avançássemos com a exigência do PLP não teríamos ganho só por um voto, teríamos perdido. Se fosse Taur Matan Ruak (líder do partido) não tinha dúvidas. Agora o candidato que apresentaram, teríamos perdido", disse.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon