Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Medalhados olímpicos renunciam aos Mundiais para tentarem o recorde mundial

Logótipo de O Jogo O Jogo 22/05/2017 Hugo M. Monteiro

Os quenianos Eliud Kipchoge e Wilson Kipsang renunciaram aos Mundiais de Atletismo

O queniano Eliud Kipchoge, atual campeão olímpico da maratona, renunciou esta segunda-feira a participar nos Mundiais de Londres, que decorrem em agosto, competição para a qual foi selecionado pela Federação Queniana de Atletismo.

Além de Kipchoge, que este mês correu a maratona em 02h00m25s, também o queniano Wilson Kipsang, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos Londres 2012, não deverá marcar presença nos Mundiais, que decorrem entre 4 e 13 de agosto.

O diretor de competições da federação queniana confirmou que os dois atletas optaram por participar na maratona de Berlim, agendada para 25 de setembro, com o objetivo de baterem o recorde do mundo.

Kenyan Eliud Kipchoge (2nd L) runs behind pace-makers during an attempt to break the two-hour marathon barrier at the Monza circuit in Italy May 6 2017. REUTERS/Alessandro Garofalo © REUTERS/Alessandro Garofalo Kenyan Eliud Kipchoge (2nd L) runs behind pace-makers during an attempt to break the two-hour marathon barrier at the Monza circuit in Italy May 6 2017. REUTERS/Alessandro Garofalo

Assim, o Quénia deverá estar representado na maratona dos Mundiais por Daniel Wanjiru, Geoffrey Kirui e Paul Lonyangata, que este ano triunfaram nas maratonas de Londres, Boston e Paris, respetivamente.

Em 6 de maio, Eliud Kipchoge falhou por 25 segundos a barreira das duas horas na maratona, numa iniciativa da empresa norte-americana Nike, no circuito automóvel de Monza, em Itália.

O objetivo era correr os 42,195 quilómetros em menos de duas horas, mas Kipchoge não conseguiu, fazendo duas horas e 25 segundos, que seria a melhor marca de sempre, mas não pode ser homologado, devido às condições da tentativa.

O atleta do Quénia foi, nomeadamente, ajudado por várias lebres, que se foram revessando, o que impossibilita esta marca de destronar o recorde mundial de 2h02m57s do também queniano Dennis Kimetto, conseguido em Berlim, em 2014.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon