Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Medina (PS) "profundamente indignado" com denúncia anónima sobre compra de casa em Lisboa

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/09/2017 Administrator

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), e candidato pelo PS, Fernando Medina, manifestou hoje uma "profunda indignação" com a denúncia anónima recebida na Procuradoria-Geral da República relativa à compra de um imóvel. "Quero manifestar a minha profunda indignação com o que está a acontecer nesta campanha eleitoral. Soube hoje que houve denúncias anónimas feitas ao Ministério Público, denúncias anónimas que foram também feitas chegar por ...

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), e candidato pelo PS, Fernando Medina, manifestou hoje uma "profunda indignação" com a denúncia anónima recebida na Procuradoria-Geral da República relativa à compra de um imóvel.

"Quero manifestar a minha profunda indignação com o que está a acontecer nesta campanha eleitoral. Soube hoje que houve denúncias anónimas feitas ao Ministério Público, denúncias anónimas que foram também feitas chegar por mão de candidaturas adversárias a jornais que fizeram circular factos que são falsos", disse o atual presidente da CML aos jornalistas, à margem de uma ação de campanha.

Medina quis deixar uma mensagem às candidaturas adversárias, não especificando quem fez a denúncia: "podem tentar, mas não vão conseguir porque nós não vamos desistir desta campanha e de fazer desta campanha aquilo que ela deve ser".

Para o socialista, esta denúncia foi feita por quem "verdadeiramente não tem projetos para a cidade".

Estes "factos ofendem a minha honra, a minha honorabilidade, e pretendem atingir o meu bom nome, e quero esclarecer de forma muito clara que essas alegações são totalmente falsas", vincou.

Na opinião do cabeça de lista do PS, "todos os portugueses percebem que denúncias anónimas que surgem a três semanas de um ato eleitoral só têm um objetivo, que é atingir eleitoralmente uma pessoa".

Por isso, admite avançar judicialmente.

Entretanto, foram disponibilizados na página da internet da sua candidatura vários documentos ligados a este caso.

Em resposta hoje enviada à agência Lusa, a PGR confirma que "a matéria relativa à compra do imóvel é referida numa denúncia anónima recebida na Procuradoria-Geral da República em finais de agosto" e que a participação foi remetida ao Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa "onde se encontra em investigação".

A notícia da compra do imóvel foi avançada pelo Observador, que revelou que Fernando Medina não declarou ao Tribunal Constitucional ser proprietário de um duplex no centro de Lisboa que adquiriu a 27 de setembro de 2016 por 645 mil euros, tendo apenas informado do pagamento de um sinal de compra de 220 mil euros.

Segundo a revista Sábado, a casa pertencia e foi vendida por um elemento da família Teixeira Duarte, que controla a construtora com o mesmo nome, à qual foram adjudicadas pela autarquia obras como a recuperação do Miradouro de São Pedro de Alcântara.

Questionado sobre este assunto, Fernando Medina descartou qualquer ligação, dizendo que "percebeu quem era a proprietária" do imóvel quando o adquiriu e que desconhece "quais as suas relações com o grupo".

Esta associação "é de má-fé", precisou, apontando que é o "maior interessado em esclarecer o assunto o mais rápido possível", mas ainda não foi chamado a fazê-lo.

"Eu não comprei uma casa à Teixeira Duarte, eu comprei uma casa no prédio dos meus sogros", advogou, apontando que as decisões relativas às obras do município "foram tomadas sempre sustentadas em pareces técnicos" e avaliações.

Apontando que agiu de forma transparente, Medina afirmou hoje que "toda a negociação foi feita através de uma agência imobiliária, referindo que pagou "acima do preço que essa agência solicitou" e que recorreu a um crédito à habitação para o fazer.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon