Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Membros da OPEP discutem na Rússia plano de corte de produção

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/07/2017 Administrator

Os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reúnem-se na segunda-feira na Rússia para discutir as ameaças crescentes ao plano de corte de produção estabelecido em maio, e analisar os casos da Líbia e da Nigéria.

"Vamos analisar a situação de todos os países, incluindo a Líbia e a Nigéria", revelou hoje, antecipando o encontro que se irá realizar em São Petersburgo, o ministro da Energia da Rússia, Alexandr Novak.

De acordo com a OPEP, em junho passado, Líbia e Nigéria aumentaram a produção de petróleo em 17,5% e 6%, respetivamente, sendo que posteriormente a Agência Internacional de Energia (AIE) advertiu que os membros da OPEP não cumpriram nesse mês o acordo que tinham estabelecido para limitar a produção de petróleo.

No relatório mensal sobre o mercado petrolífero, a AIE sublinhou que o grau de cumprimento do acordo foi de 78% em junho, contra 95% em maio e que, inclusivamente, os outros países que não são membros do cartel mas que participam no acordo, como a Rússia, o respeitaram numa percentagem superior de 82%.

Os 14 membros da OPEP e outros dez concorrentes, incluindo a Rússia, acordaram, em novembro último, um corte de 1,8 milhões de barris por dia desde janeiro deste ano e que deve prolongar-se em princípio até março de 2018, para travar a queda dos preços do petróleo.

A AIE, que afirma que desde o início de junho o barril esteve abaixo dos 50 dólares, sublinha que todos os meses aparecem novos obstáculos que impossibilitam o reequilíbrio do mercado.

Em junho, o incumprimento do compromisso de redução da produção e o forte acréscimo das extrações da Líbia e da Nigéria (que ainda que pertençam à OPEP não são obrigados a fazer cortes) em mais de 700.000 barris por dia face ao mês anterior.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon