Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Milhares de angolanos fazem fila para serem tratados em navio-hospital chinês

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/10/2017 Administrator

Milhares de angolanos procuraram na última semana por atendimento médico num navio-hospital chinês, aguardando horas a fio junto ao porto de Luanda, na esperança de resolverem problemas de saúde que, na generalidade, não conseguiram tratar nos hospitais nacionais.

Só desde quinta-feira, na sua primeira missão em Angola, o navio-hospital "Peace Ark", da Marinha do Exército de Libertação Popular da China, recebeu mais de 5.500 angolanos, para consultas e cirurgias gratuitas.

Bernardo Santiago chegou pelas 06:00 de hoje ao porto de Luanda, onde o navio está atracado, e três horas depois aguardava pela sua vez, no meio da multidão, para tentar tratar problemas na coluna, nos membros inferiores e no peito.

Ficou a saber da presença do navio pelos órgãos de comunicação social e resolveu aproveitar a oportunidade, até porque não tem encontrado solução para o seu caso, mesmo fazendo consultas numa clínica privada do país.

"Eu tenho feito consultas na [clínica da] Endiama, mas os pacotes são limitados, e uma vez que em Angola a saúde é escassa, aparece essa oportunidade dos chineses e todo o mundo quer aproveitar. Porque aqui temos tantas infraestruturas, no que concerne aos hospitais, mas não temos homens formados", queixou-se.

Aguardando pacientemente na fila, entre dezenas de pessoas, Beatriz Pereira da Conceição procurava por atendimento no navio-hospital chinês para o filho, que apresenta problemas de saúde e constantes dores de cabeça há já algum tempo, sem solução até agora.

"Diagnosticaram um glaucoma simples, passado algum tempo consultei mais alguns médicos, porque ele não consegue ouvir barulho, o que é que acontece, dizem que ele não tem glaucoma. Eu queria aproveitar essa oportunidade [navio chinês] porque eu não tenho valores para ir para fora", lamentou.

Já à saída do navio, a Lusa falou Emílio Júnior, que esperou oito horas na fila para ser "bem atendido", amenizando o problema das dores na coluna: "Só custou na hora de entrar, mas dentro não fez nem 30 minutos".

Entre 19 e 25 de outubro foram atendidas naquele navio-hospital 5.530 pessoas e realizadas 14 operações cirúrgicas, além do intercâmbio académico com profissionais de saúde do Hospital Geral de Luanda, do Hospital da Marinha de Guerra angolana e do Instituto Confúcio da Universidade Agostinho Neto.

Paulo Tiago faz parte do grupo que chegou a ser alvo de cirurgia a bordo do navio. Foi operado a uma catarata, no mesmo dia em que foi detetada a patologia.

"Já há muito tempo [que tinha o problema], eu usei sempre óculos, nunca ninguém me disse que eu tinha aquilo ali por dentro. Cheguei aqui, eles detetaram e prontamente disseram que tinha que ser operado", explicou.

Para Paulo Tiago, o número elevado de pessoas que procuraram pelo serviço médico do navio tem a ver com a qualidade no atendimento.

"Gostei muito, muito mesmo. Em relação ao nosso não tem como, não há comparação", atirou.

Após a passagem por Angola, o "Peace Ark" parte quinta-feira para a restante missão no continente africano, com paragens previstas em Moçambique e na Tanzânia.

A bordo do navio de 178 metros funcionam salas de raios x, uma unidade de cuidados intensivos com 20 camas, salas para exames ginecológicos, serviços dentários e até de medicina tradicional chinesa, além de um helicóptero para evacuação.

Só entre 2010 e 2015, em missões na Ásia, África, Américas e Oceânia, o "Peace Ark" prestou serviços médicos e de apoio humanitário a 120.000 pessoas, em 29 países.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon