Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ministra da Saúde angolana impressionada com apoio prestado por navio-hospital chinês

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/10/2017 Administrator

A ministra da Saúde de Angola manifestou-se hoje impressionada com o atendimento, em Luanda, de cerca de 5.000 pacientes angolanos, assegurado em apenas uma semana por um navio-hospital da China.

Sílvia Lutukuta falava à imprensa, no final de uma visita guiada que realizou ao navio-hospital chinês "Peace Ark", que chegou a Luanda no dia 19 deste mês e parte já esta quinta-feira, terminando a sua primeira passagem por Angola.

A governante angolana realçou a alta tecnologia existente naquela infraestrutura, com várias especialidades e com "uma prestação de serviços de top", em termos médicos: "Tivemos a oportunidade de interagir com alguns angolanos que foram aqui atendidos e foram muito bem atendidos, alguns já com soluções imediatas após cirurgia, como por exemplo as cataratas e o que mais nos impressionou é que eles foram capazes de até ao momento atender cerca de 5.000 pacientes, das várias áreas".

A titular da pasta da Saúde em Angola considerou a presença do navio-hospital chinês no país como uma oportunidade para abrir porta para outros tipos de parcerias, nas relações sino-angolanas, que considerou estarem "cada vez mais fortalecidas", no domínio da área social, com a prestação de cuidados de saúde.

"Nós acreditamos que não será a última oportunidade, para ver também integrar alguns dos nossos profissionais neste curto período de tempo, para fazerem algum refrescamento, estarem em contacto com a melhor tecnologia existente nas várias áreas da medicina e será muito bom", frisou.

Apesar de considerar preocupante o número de pessoas que acorreram nos últimos dias a esse serviço, a ministra salientou que a maioria dos pacientes procurou por consultas preventivas, sendo as de oftalmologia e medicina oral, as mais procuradas.

"Portanto, os 5.000 pacientes não são todos com doenças estabelecidas, alguns vêm, mas com a vertente prevenção", referiu.

Reconheceu que Angola tem ainda um caminho longo a percorrer, no setor da saúde, por entre "muitas dificuldades", quer financeiras quer de recursos humanos.

"Precisamos de equipar mais os nossos hospitais, mas muito já tem sido feito e nós temos que reconhecer que nós temos um longo caminho percorrido e com êxito, porque nós não tínhamos quase quadros nenhuns, vamos tendo médicos", salientou.

Por sua vez, o diretor clínico do navio-hospital chinês, Sun Tao, disse que o número de pessoas superou as expectativas, estava previsto o atendimento de 500 pessoas por dia, mas chegou aos mil pacientes, a maioria com problemas ósseos, de odontologia e oftalmologia.

"Esperávamos cerca de 500 ou 600 pessoas, por dia, mas atendemos cerca de 1.000 pessoas, por isso, estes dias, os médicos fizeram consultas às pessoas, especialmente os médicos de cirurgia, faziam as consultas de dia e as operações à noite", contou.

De acordo com Sun Tao, a língua foi a maior dificuldade encontrada no atendimento, mas superada com o voluntariado de alguns chineses residentes em Angola.

O navio-hospital "Peace Ark", da Marinha do Exército de Libertação Popular da China, tem 178 metros de comprimento, oito salas de cirurgia, sete consultórios, oito salas de enfermaria e sala de internamento com capacidade para 300 pacientes e vários equipamentos de alta tecnologia.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon