Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Mitroglou e uma tendência que vem desde a Grécia

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/04/2017 Alcides Freire
Mitroglou © Miguel Pereira/Global Imagens Mitroglou

Sem Jonas, que teve uma época marcada por problema físicos, Mitroglou tem sido o grande matador das águias: tem 26 golos, o seu melhor registo de sempre

O homem que jogará mais adiantado na equipa que o Benfica irá apresentar em Alvalade será, salvo algum percalço até sábado, Mitroglou. O avançado grego está, de resto, bem talhado para jogos de alta intensidade frente aos adversários mais espinhosos, tal como até já revelou ao Sporting na época passada: na jornada 25 da última época, foi o camisola 11 quem fez cair o leão em Alvalade (1-0), num triunfo que levou as águias a ultrapassar o rival na tabela e embalar para o tricampeonato. Mas Mitroglou não se ficou por aí nos agravos aos grandes rivais pois, tanto ao Sporting na Taça de Portugal (2-1) como frente ao FC Porto na liga (2-1), marcara outros golos, mas que não salvaram as águias de derrotas.

A "fome" de golos nos jogos grandes não nasceu em Portugal e já vem de longe. Com a camisola do Olympiacos, por exemplo, o internacional grego tornou-se num terror para o rival Panathinaikos. Desde 2009/10 e mesmo quando vestiu as camisolas de Panionios e de Atromitos, clubes de menor dimensão, apenas por uma vez perdeu a oportunidade de espetar farpas no rival de Atenas: foi em 2014/15, quando regressou ao seu país de origem, emprestado pelo Fulham. Na memória dos adeptos do Olympiacos ficou, em particular, um desses golos, o que a 2 de novembro de 2013 ditou o triunfo da equipa de Pireu em território inimigo, por 1-0. Um Mitroglou de barba menos impressionante que a atual, mas de crista e cabelo rapado de lado recebe um passe de Fuster e, na grande área, aplica o pé esquerdo para bater Kapino. Minuto? 90"! Um golo muito festejado, dentro e fora de campo, não só por ter decidido o clássico do futebol grego, mas porque também foi um bom empurrão para o Olympiacos somar o que seria, então, o 41.º título de campeão nacional.

citacaoO goleador atirou os leões ao tapete na época passada e confirmou uma apetência que vem do tempo em que jogava na Grécia

Mas as unhas afiadas de Mitroglou em palcos onde se exige nervo e gelo nas veias não arranham apenas nas competições internas. E o Dortmund que o conte, já esta época: em pleno Estádio da Luz o grego ministrou uma aula de eficácia atacante aos alemães na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões, carimbando o 1-0 final. Mas, na prova milionária, o camisola 11 das águias já tinha cartel muito antes desse jogo. Causara, por exemplo, estragos a equipas como o Atlético de Madrid (tanto pelo Benfica como no Olympiacos), Arsenal e Anderlecht. Neste último caso, em 2013/14, o grego humilhou a equipa belga em casa com um hat trick (3-0). Outro momento "mágico" de Mitroglou acontecera em 2012 quando, no Olympiacos de Leonardo Jardim, saiu do banco aos 72" para, segundos depois, fazer o 2-1 que derrotaria o Arsenal, na Champions.

citacaoA saga goleadora de Mitroglou no Benfica começou na Luz, com um golo ao Estoril para a I Liga. O grego soma já 51 golos em 85 jogos oficiais

Recorde-se que esta época e na I Liga, Mitroglou já apontou 26 golos, o seu melhor registo global de carreira.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon