Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Moçambique lança prospeção de petróleo e gás no Delta do Zambeze

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/10/2017 Administrator

A empresa francesa Compagnie Générale Geophisique (CGG) vai realizar estudos geofísicos e geológicos no Delta do Zambeze, centro de Moçambique, para a determinação do potencial de hidrocarbonetos existente na zona, anunciou a empresa.

A CGG vai participar nos estudos, depois de ter sido contratada pelo Instituto Nacional de Petróleos (INP), entidade reguladora do setor de hidrocarbonetos em Moçambique, segundo fonte citada hoje pela imprensa estatal.

Na quinta-feira, a CGG e o INP procederam em Maputo ao lançamento da campanha de prospeção sísmica - com análise de ondas sonoras projetas para o fundo do mar - que vai incidir sobre 40 mil quilómetros quadrados do Delta do Zambeze, numa região de acesso ao Oceano Índico.

Falando na ocasião, a ministra dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique, Lectícia Klemens, afirmou que a pesquisa e os dados que serão obtidos na operação vão dar ao INP uma ampla visão de geologia da região, que será utilizada para futuros licenciamentos de operadores da indústria extrativa.

O trabalho vai permitir a transferência de conhecimentos técnicos para o INP e outras instituições em Moçambique, no domínio da recolha e interpretação de dados.

No âmbito do contrato com o INP, a CGG vai disponibilizar vários dados, tais como imagem de profundidade regional completa, integração de todos os poços disponíveis, infiltrações e dados geológicos.

Em 2016, o INP anunciou a realização de uma outra aquisição sísmica nos blocos de Angoche, província de Nampula, norte do país, visando determinar o potencial em hidrocarbonetos.

As operações estão enquadradas no quinto concurso internacional de pesquisa, que resultou na atribuição pelo Estado moçambicano de várias concessões a operadores do setor.

Na bacia do Rovuma, na ponta norte das águas moçambicanas do Índico, consórcios liderados pela italiana ENI e pela norte-americana Anadarko apuraram a existência de grandes reservas de gás natural, encontrando-se a mobilizar recursos para o início das atividades de exploração e produção de Gás Natural Liquefeito (GNL).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon