Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Movimento "Guilherme Pinto por Matosinhos" acusa Narciso Miranda de "usurpação" de nome

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/07/2017 Administrator

O Movimento "Guilherme Pinto por Matosinhos" acusou hoje Narciso Miranda, candidato à câmara, de usar o mesmo nome na sua candidatura, dizendo ser uma "apropriação indevida e abusiva" e uma "enorme falta de ética e respeito".

O ex-presidente da Câmara Municipal de Matosinhos pelo PS, Narciso Miranda, é candidato independente às eleições autárquicas de outubro liderando o Movimento "Narciso Miranda por Matosinhos", depois de Guilherme Pinto, falecido em janeiro, ter ganho as eleições de 2013 como independente e como líder do Movimento "Guilherme Pinto por Matosinhos".

"O candidato Narciso Miranda apresentou-se e apresenta-se com o mesmo nome do nosso movimento, substituindo Guilherme Pinto por Narciso Miranda, e com uma imagem em termos de cores muito próxima porque usa, tal como nós usamos, o azul", disse hoje à Lusa o porta-voz do "Grupo de Cidadãos Eleitores Guilherme Pinto Por Matosinhos", Eduardo Pinheiro.

Eduardo Pinheiro, atual presidente da câmara, lembrou ainda que o Movimento "Guilherme Pinto por Matosinhos" usava como logótipo uma onda, termo "frequentemente" usado por Narciso Miranda nas suas primeiras intervenções de pré-campanha através de frases como "junta-te à onda" ou "entra na onda".

Na sua opinião, o objetivo de Narciso Miranda ao "apropriar-se" destes elementos é confundir o eleitorado que, há quatro anos, votou em Guilherme Pinto.

"Há uma tentativa de baralhar o eleitorado, algo que não me parece capaz porque acho que o eleitorado é consciente e percebe este tipo de manobras", frisou.

Além disso, Eduardo Pinheiro vincou que os projetos são "completamente diferentes".

O autarca avançou que esta questão está a ser analisada do ponto de vista jurídico, mas mais do que uma questão jurídica Eduardo Pinheiro diz tratar-se de uma "tremenda falta de ética e de respeito" quer pela memória do falecido Guilherme Pinto, quer pelo candidato Guilherme Pinto.

"Todos os que estão neste grupo não se reveem neste tipo de utilização abusiva", salientou.

O porta-voz do movimento lembrou que Narciso Miranda "usurpou" elementos da candidatura de Guilherme Pinto, candidato com quem ele sempre combateu, quer em 2009, quer em 2013.

Também do Movimento "Guilherme Pinto por Matosinhos", Palmira dos Santos Macedo, presidente da Assembleia Municipal, considerou "reprovável" esta tentativa de Narciso Miranda de confundir os eleitores.

"Mas, acredito que o eleitorado é suficientemente esclarecido e conhece muito bem o projeto que corporizámos e que temos vindo a desenvolver nos últimos anos", sustentou.

Contactado pela Lusa, Narciso Miranda disse não dever nem querer "perder tempo" com `fait-diver´ e tentar transformar uma pré-campanha em casos.

"Sei que a grande questão é que tem havido muitos casos, mas não estão deste lado, nem estarão, ninguém vai contar comigo para fazer debates na base da ficção, da mentira e das falsas questões porque estas eleições são muito importantes para Matosinhos", vincou.

Narciso Miranda entendeu ser "importante" perguntar que explicação vão dar os que foram candidatos pelo Movimento "Guilherme Pinto por Matosinhos" há quatro anos e que tiveram 32 mil votos aos eleitores por agora serem "barriga de aluguer" e tentarem transportar esses votos para um partido.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon