Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Mundial2014: Bairro noturno de São Paulo vira ponto de encontro de adeptos de vários países

Logótipo de LusaLusa 18/06/2014 Fernanda Barbosa
TOLGA BOZOGLU/EPA © @ EPA / TOLGA BOZOGLU TOLGA BOZOGLU/EPA

São Paulo, 18 jun (Lusa) - A Vila Madalena, bairro noturno da zona oeste de São Paulo, tornou-se um ponto de encontro de adeptos durante o Mundial2014 de futebol, com uma das suas ruas fechada para receber pedestres e vendedores ambulantes durante as partidas.

Enquanto a seleção brasileira enfrentava a mexicana, em Fortaleza (nordeste do Brasil), o ambiente da Vila Madalena era amistoso entre os adeptos. Alguns se aglomeravam em frente a televisores e ecrãs de bares lotados, mas outros se esqueciam do futebol para se dedicarem ao "flerte" e às bebidas alcoólicas, vendidas na rua.

Apesar de a Fun Fest da FIFA ser no centro de São Paulo, o bairro da zona oeste se estabeleceu como uma opção informal para a festa.

"O jogo é competitivo, mas aqui tem integração, união e uma boa receção aos estrangeiros. É mais festa do que torcida", afirmou a estudante brasileira Camila Guzo, 22 anos, após tirar fotos com adeptos mexicanos.

O inglês e o "portuñol" eram usados para a comunicação, entre a maioria de brasileiros e os turistas de países como México, Portugal, Moçambique, Chile, Inglaterra, Turquia, Colômbia, Nigéria e Argentina. Os cantos para apoiar as equipas e as buzinas e cornetas também não faltaram.

"O ambiente de Mundial deve ser sempre assim, animado, mas, como estamos na América Latina, é mais ruidoso", brincou a mexicana Tobyanne Ledesma, 26 anos, que viajou para São Paulo para uma conferéncia de direitos humanos e aproveitou para apoiar a sua seleção, ao lado de compatriotas que tinha acabado de conhecer durante a festa.

O empate entre Brasil e México e as oportunidades de golo perdidas geraram críticas aos atletas e ao treinador Luiz Felipe Scolari, mas não atrapalharam a festa, que seguiu em ritmo de Carnaval fora de época.

O português de Cascais Marcelo Luz, 21 anos, contou ter viajado ao Brasil apenas para acompanhar o Mundial2014. Ontem (segunda-feira), foi à Salvador, na Baía, para assistir à partida de Portugal e, hoje (terça-feira), decidiu aproveitar a festa na Vila Madalena.

"A seleção está bem constituída. Se não fosse a expulsão de Pepe, a história seria diferente", afirmou. Entretanto, Luz acredita que as "quinas" ainda ganharão aos Estados Unidos e ao Gana para obter a qualificação para os oitavos de final.

O estudante, chamado pelos brasileiros que passavam por ele de "Cristiano Ronaldo" e "Portuga", contou ter descoberto no metro que havia uma festa na rua, após ter sido avisado por desconhecidos.

O moçambicano Salvador Rafael, 30 anos, aproveitou a aglomeração de pessoas no bairro para apoiar o Brasil. "Temos muito em comum na cultura e na origem", afirmou, de camisola amarela, após revelar torcer para que brasileiros ou holandeses saiam campeões.

A partida de terça-feira gerou trânsito intenso em São Paulo, já que as empresas encerraram os turnos de trabalho mais cedo. O resultado foi a antecipação do horário de pico, o que impediu muitos paulistas de assistirem ao primeiro tempo do jogo em suas casas.

FYB // VR

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon