Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Mundial2014: Polícia entra em confronto com manifestantes onde joga o Brasil

Logótipo de LusaLusa 17/06/2014 Fabiane Roque

Fortaleza (Brasil), 17 jun (Lusa) - Um grupo de manifestantes entrou hoje em confronto com a polícia em vias de acesso ao estádio do Castelão, em Fortaleza, onde a seleção brasileira enfrenta o México na disputa pela Taça do Mundo de Futebol.

Os participantes saíram em caminhada em direção ao estádio do Castelão poucos minutos antes do jogo e entraram em choque com a polícia quando atingiram a barreira de segurança em torno de todo o estádio.

Os manifestantes terão iniciado o confronto a atirar pedras e pedaços de madeira contra os militares, que responderam atirando bombas de gás, balas de borracha e jatos de água para dispersá-los.

Pelo menos nove pessoas foram presas durante o confronto e um adolescente foi detido, segundo informação da Polícia Civil.

Um pequeno grupo atirou ainda pedras contra um autocarro credenciado pela Fifa, iniciando um novo tumulto, controlado a poucos minutos do início do jogo.

Mais cedo, em Belo Horizonte (Minas Gerais), manifestantes fecharam o trânsito e jogaram futebol na Praça da Savassi, região nobre da cidade, num protesto pacífico.

Os participantes tocaram tambor e cantaram hinos de protesto.

É a segunda vez que as manifestações da capital mineira terminam com uma partida de futebol. Essa foi a maneira que encontraram para protestar após um cerco policial os impedir de seguirem a marcha em direção ao estádio.

No primeiro dia de jogo também houve confronto entre manifestantes e polícias em São Paulo, palco da abertura do Mundial da Fifa deste ano, enquanto no domingo, dia do primeiro jogo realizado no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, a polícia também lançou bombas de efeito contra manifestantes que tentavam aproximar-se do local.

GEORGI LICOVSKI/EPA © @ EPA / GEORGI LICOVSKI GEORGI LICOVSKI/EPA

As poucas manifestações registadas até o momento, no entanto, têm sido menores do que as ocorridas em junho passado, durante a Taça das Confederações, e não têm atrapalhado a deslocação e chegada dos adeptos aos estádios.

FYRO // APN

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon