Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Mundial2014: Religiosas católicas alertam para possível aumento de casos de exploração

Logótipo de LusaLusa 20/05/2014 Elsa Jacinto

Cidade do Vaticano, 20 mai (Lusa) - Religiosas católicas alertaram hoje para um possível aumento dos casos de exploração laboral e sexual durante o campeonato mundial de futebol do Brasil, durante a apresentação no Vaticano da campanha "Joga a favor da vida".

A campanha, que também se realizou durante os mundiais de futebol anteriores, na Alemanha e na África do Sul, promove a rede internacional da vida consagrada contra o tráfico de pessoas Talitha Kum, cujo objetivo é sensibilizar a sociedade para o problema do tráfico de seres humanos em grandes eventos.

Numa conferência de imprensa no Vaticano, a maltesa Carmen Sammut, presidente da União Internacional de Superioras Gerais (UISG), alertou para "os enormes lucros" gerados pelo tráfico de mulheres e crianças vendidos como escravos e para a necessidade de que as pessoas estejam conscientes "do que acontece à margem de grandes eventos, como o mundial de futebol, e do sofrimento daqueles que são traficados".

"Sem esta consciência, sem atuar em conjunto pela defesa da dignidade humana, o campeonato do mundo pode chegar a ser uma vergonha terrível, em vez de uma festa para a humanidade", acrescentou.

A religiosa Estrella Castalone, que cooredena a rede Talitha Kum, explicou que eventos como este atraem muitas pessoas à procura de trabalho, muitas das quais "acabam por ser enganadas e transformam-se em vítimas de diferentes formas de exploração".

"Conhecedoras deste cenário, queremos comprometer-nos a impedir o tráfico de pessoas durante o evento do campeonato mundial de futebol do Brasil", de 12 de junho a 13 de julho, acrescentou.

Na campanha de informação e sensibilização, que começou a 08 deste mês, colaboram mais de 250 religiosas d um grande grupo de laicos, informou.

A religiosas italiana Gabriella Bottani explicou que no Brasil o trabalho consiste em "dar instrumentos para reconhecer, identificar e denunciar várias situações de exploração.

Bottani afirmou que o Brasil é um país onde coexistem todas as fases do trajeto das vítimas de exploração, já que é um país de origem, trânsito e destino de pessoas exploradas, destacando que a maioria são mulheres jovens, de famílias pobres e com baixos níveis de escolaridade.

"O Brasil é um país com uma elevada percentagem de turismo sexual e isto aumenta significativamente o fenómeno da prostituição, especialmente de menores, e abre as portas ao tráfico interno e internacional", acrescentou.

As religiosas sublinharam que, durante os mundiais da Alemanha e África do Sul, o fenómeno da exploração sexual aumentou entre 30 e 40%.

Além da campanha de prevenção, grupos de religiosos e laicos vão estar presentes nas 12 cidades brasileiras, onde se vão realizar jogos do mundial.

EJ // APN

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon