Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Não se pode comprar o sol e aqui não falta"

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/05/2017 João Cardoso

Erdem Sen tem mais um ano de contrato, mas a boa época que fez tornou-o num alvo de vários clubes. Amante do sol e da praia, o turco deseja ficar e estrear-se nas provas europeias

Erdem Sen encantou-se pela Madeira e pretende continuar ao serviço do Marítimo. Apesar de ter clubes interessados nos seus serviços, o turco deseja cumprir o ano de contrato que o liga aos maritimistas e estrear-se nas competições europeias.

© "Gonçalo Delgado"

"Há equipas interessadas em mim, mas eu sei que o presidente quer fazer uma boa equipa para a Liga Europa. Toda a gente gosta de fazer bons negócios, mas acredito que vou continuar para jogar na Liga Europa", referiu, bem-disposto, a O JOGO. Totalmente adaptado à Madeira, o médio apaixonou-se pelo bom clima. "Gosto do sol e passo os meus tempos livres a descansar na praia e nas piscinas naturais. Não se pode comprar o sol e nesta ilha está sempre sol", atirou, feliz. E nem mesmo a investida do Besiktas durante a época cativa Erdem Sen: "Havia interesse, mas agora não penso em equipas turcas. Estou feliz aqui e por isso penso em continuar cá para mostrar o que posso fazer."

No final de uma época que começou mal, mas que terminou com o apuramento para a Liga Europa, o médio destacou o muito que se trabalha no futebol português. "Foi uma boa época, mas com muito trabalho duro. Treina-se muito em Portugal, aqui temos muitas taças e faz com que se tenha mais jogos, mais treinos, mais organização. Como estamos numa ilha, viajamos constantemente e ficamos mais cansados. Foi duro, mas estou feliz porque acabámos bem", analisou. Habituado a terrenos mais adiantados, o turco foi adaptado a trinco no Marítimo. "Não podia subir muito, é verdade. Toda a gente gosta de jogar mais livre, mais à frente, fazer golos ou assistências, mas isso é fácil; difícil é correr para trás", atirou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon