Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Número de migrantes a chegar à Europa caiu mais de metade até final de junho

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/07/2017 Administrator

O fluxo de migrantes a chegar à Europa caiu mais de metade (58%) no primeiro semestre, situando-se agora nos 101.559 migrantes (contra os 239,9 mil de 2016), indicam números oficiais da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

"A diminuição deve-se, principalmente, a uma queda acentuada nas chegadas globais nos dois principais pontos de entrada no Mediterrâneo Oriental, a Grécia e a Bulgária. A Grécia recebeu menos 93% de migrantes em 2017, quando comparado com o final de junho de 2016", segundo a agência da ONU para as Migrações num relatório trimestral preliminar.

Em números absolutos, chegaram à Grécia 10.679 migrantes de janeiro a final de junho, contra os 160.115 registados no mesmo período do ano passado.

Por outro lado, as chegadas por terra à Bulgária também caíram a pique no acumulado dos dois primeiros trimestres do ano: o país do leste da Europa recebeu 4.954 migrantes nos primeiros seis meses de 2016 e apenas 391 este ano.

Espanha, Itália e Chipre, por outro lado, mostram uma realidade diferente. As autoridades italianas registam um aumento de 19% nas chegadas face ao primeiro semestre de 2016 (os 83.752 migrantes que recebeu representam o número mais alto neste período desde 2014).

Espanha registou um aumento de 40% (de 4.606 para 6.464 migrantes).

A OIM também indicou que o número de pessoas mortas ao tentar chegar por mar à Europa - 99.611 do total de 101,5 mil migrantes chegaram desta forma -- continua alto, mas tem vindo a diminuir. Um total de 2.256 migrantes morreram ou foram dados como desaparecidos no Mediterrâneo, mas este número representa -- ainda assim -- uma redução de 23% face ao ano passado.

A maioria das mortes (2.158) acontece na rota do Mediterrâneo Central (habitualmente usada pelos migrantes que fazem o trajeto por mar da Líbia para a Itália). Outras 61 pessoas morreram nas águas entre o Magreb e a Andaluzia.

A agência para as migrações também lista as ofertas de recolocação de migrantes por países. Portugal já aceitou 1.391 migrantes (299 vindos de Itália e os restantes da Grécia) de um total de 23.228 pessoas recolocadas. Quanto a migrantes sírios recolocados a partir da Turquia, os Estados-membros acolheram 7.334 pessoas entre 04 de abril de 2016 e o final de junho último, dos quais 12 vieram para Portugal.

Quanto a nacionalidades de migrantes, quase 17% dos que chegaram a Itália são provenientes da Nigéria, enquanto 10% são do Bangladesh, 9% são da Guiné-Conakry e outros 9% da Costa do Marfim.

"Desde o princípio do ano, chegaram a Itália 12.239 crianças. A grande maioria delas (11.406) vinham sozinhas [desacompanhadas dos pais ou tutores adultos] ou separadas, provenientes da África Ocidental (Guiné-Conakry, Costa do Marfim e Gâmbia)", indicou a OIM.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon