Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Nações árabes dizem ter recebido resposta do Qatar às suas reivindicações

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/07/2017 Administrator

Quatro países árabes disseram hoje que receberam a resposta do Qatar às reivindicações para acabar a crise diplomática que afeta o Golfo.

Bahrein, Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos vão responder "em tempo oportuno", indicou uma declaração conjunta, sem adiantar detalhes. Os ministros dos Negócios Estrangeiros dos quatro países devem reunir-se hoje no Cairo.

O Qatar submeteu uma resposta escrita na segunda-feira através do Kuwait, que está a ajudar a mediar aquela que é descrita como a mais grave crise regional desde a guerra do Golfo de 1991.

O conteúdo da carta assinada pelas autoridades de Doha não foi divulgado.

A resposta foi entregue menos 24 horas depois da Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos e Bahrein terem decidido prolongar por mais dois dias o ultimato feito ao Qatar para responder à lista de exigências. O prazo do ultimato tinha terminado às 24:00 de domingo.

A 05 de junho, Riade e três países árabes aliados cortaram relações diplomáticas com o Qatar, que acusam de apoio ao terrorismo.

Posteriormente, numa lista de 13 pontos -- apresentada ao Qatar pelo Kuwait --, os países exigiram o encerramento da televisão Al-Jazira, de uma base militar da Turquia no Qatar e uma redução das ligações diplomáticas com o Irão.

Os quatro países exigiram ainda que Doha corte quaisquer contactos com a Irmandade Muçulmana e com outros grupos fundamentalistas islâmicos como o xiita Hezbollah, a Al-Qaida e o Estado Islâmico.

Em causa está a restauração do tráfego aéreo, marítimo e terrestre e a suspensão do bloqueio económico.

O Qatar tem cerca de 10.000 tropas norte-americanas na base aérea de Al-Udeid.

Esta é a maior base aérea norte-americana na região, crucial para a luta contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque, conduzida por uma coligação internacional dirigida por Washington e das quais Doha e Ancara fazem parte.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon