Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Nelson da Luz e Vá, jovens promissores do futebol angolano

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/08/2017 Alcides Freire

Mais um olhar para o futebol angolano, resultado da parceria Talent Spy/O JOGO. Olhos postos em dois dos mais promissores valores daquele país africano: Nelson da Luz e o Vá

"Temos de formar bem para poder vender bem e assim valorizar aquilo que é formado aqui em Angola." São palavras do General Carlos Hendrick, presidente do 1º de Agosto de onde partiu Gelson Dala e Ary Papel rumo a Alvalade. As palavras do dirigente angolano evidenciam a mudança de paradigma que se tem começado a registar naquele país relativamente à necessidade da venda de jogadores.

© Fornecido por O jogo

O esquerdino Nelson da Luz e o destro Vá, os dois extremos, são vistos como os jovens mais promissores a atuar na seleção principal. Ambos com 19 anos, atuam juntos na seleção nacional desde os Sub-17. Vá foi mesmo eleito como o melhor jogador do torneio da CPLP. E tem marcado golos decisivos, como o que recentemente garantiu a vitória à seleção angolana frente às Ilhas Maurícias.

Nelson da Luz goza já de uma maior maturidade derivado da dimensão do seu clube, o 1º de Agosto - campeão em título, o que se reflete num estilo de jogo já mais consolidado e próximo dos padrões europeus.

Se muitas das vezes apontamos o futebol de rua e a paixão como dois ingredientes essenciais para o desenvolvimento do talento futebolístico, a história de vida de Vá reflete o que é comum em Angola: com 6 anos de idade, a sua mãe, deslocou-se da província do Kwanza Norte para a capital, Luanda, com o seu único filho. E aí o pequeno Vá cedo encontrou os famosos campos do Bairro do Prenda, onde é comum realizarem-se jogos de rua, com as habituais balizas estreitas e baixas. Lá o seu talento não passou indiferente ao clube Real Sambila, clube que só tem escalões de formação, e onde recebeu as suas primeiras chuteiras. O Real Sambila, presidido por Adão Costa, conhecido agente desportivo no meio africano e vice-presidente da Federação Angolana, apresenta também relações institucionais em Portugal com o Vitória SC.

Vá continua longe dos holofotes dos clubes mais titulados em Angola, o Petro de Luanda e o 1º de Agosto. Atua no Progresso de Sambizanga, clube de onde saiu Pedro Mantorras para Portugal, e onde se situa o bairro onde nasceu William Carvalho e o presidente José Eduardo dos Santos.

O jovem angolano é visto como um exemplo na sociedade até pelo facto de ainda hoje continuar a conciliar o desporto e a escola, estuda Ciências Económicas e Jurídicas, e tem o sonho de ser campeão angolano pelo Petro de Luanda, clube com o maior palmarés em Angola, e de na Europa representar o Benfica.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon