Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Nova-iorquinos manifestam-se a favor dos imigrantes perto da Trump Tower

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/08/2017 Administrator

Centenas de nova-iorquinos manifestaram-se na terça-feira perto da Trump Tower para demonstrar o seu apoio à comunidade imigrante do país, no segundo dia de visita do Presidente dos Estados Unidos à cidade.

Os manifestantes defenderam a manutenção do programa de Ação Diferida (DACA, na sigla em inglês), quando se assinalam cinco anos desde a sua criação, pelo anterior Presidente Barack Obama, o qual beneficiava jovens que chegaram aos Estados Unidos antes de cumprirem os 16 anos de idade.

Indocumentados como Ángel Ortega Morales concentraram-se perto da Trump Tower, onde permanece o chefe de Estado durante a breve visita à cidade, para pedir que o programa não seja cancelado.

"Se o eliminarem, perco o meu emprego e não poderei pagar os meus estudos de mestrado", afirmou o imigrante mexicano à agência noticiosa espanhola EFE. No cartaz que transportava podia ler-se: "Indocumentado, mas sem medo".

Ortega Morales, de 27 anos, que chegou aos Estados Unidos quando tinha apenas 4, trabalha como professor substituto e, com o salário, paga os estudos de mestrado.

O seu caso é semelhante ao de milhares de jovens 'dreamers', como são conhecidos, que chegaram aos Estados Unidos antes de cumprirem 16 anos e ali residiram continuamente desde 01 de janeiro de 2010.

Para César Vargas, o primeiro indocumentado a tornar-se advogado em Nova Iorque, cancelar o DACA pode significar a perda da licença de advogado, a carta de condução, o trabalho e a casa que comprou há um ano, tal como para milhares de beneficiários do programa.

Neste sentido, advertiu que "com ou sem DACA" milhares de jovens indocumentados vão continuar os estudos superiores, apesar de reconhecer que tal será muito difícil por não poderem trabalhar legalmente.

Dezenas de nova-iorquinos, jovens indocumentados e outros residentes da cidade manifestaram-se em apoio aos imigrantes, numa ação sob estritas medidas de segurança que se tornou num verdadeiro pesadelo para condutores e transeuntes.

O procurador-geral do Texas, o republicano Ken Paxton, advertiu, em junho, o procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, que processaria a administração de Donald Trumo, se não eliminasse o programa DACA antes de 05 de setembro, numa carta assinada por outros nove procuradores republicanos e pelo governador de Idaho.

Durante a manifestação foi ainda defendida a manutenção do Estatuto de Proteção Temporária (TPS), também ameaçado.

Trata-se de um benefício concedido pelos Estados Unidos a imigrantes indocumentados, que não podem regressar aos países devido a conflitos civis, desastres naturais ou outras circunstâncias extraordinárias. O TPS permite que trabalhem com um autorização temporária.

As centenas de nova-iorquinos, que se concentraram no segundo dia de protestos, exibiam ainda cartazes com mensagens como: "Defendam o DACA", "Parem com a criminalização de imigrantes" ou "Estamos aqui para ficar". Noutros podia ler-se: "Nova Iorque odeia-te".

Também foram ouvidos 'slogans' como "muçulmanos e refugiados são bem-vindos", numa referência às ordens executivas da administração de Donald Trump, que proibiram a entrada de imigrantes de sete países de maioria muçulmana.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon