Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Nova ponte e variante entre Évora e Reguengos de Monsaraz abrem na segunda-feira

Logótipo de O Jogo O Jogo 28/07/2017 Administrator

A variante e a nova Ponte do Albardão sobre o rio Degebe, na estrada entre Évora e Reguengos de Monsaraz, abrem ao trânsito na segunda-feira, após um investimento de três milhões de euros.

A inauguração está marcada para as 11:00, junto à obra, na Estrada Nacional (EN) 256, estando prevista a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, segundo divulgou hoje a Câmara de Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora.

"O dia da sua abertura ao trânsito será histórico para Reguengos de Monsaraz e para toda a região, porque se elimina um ponto negro de uma via rodoviária", afirmou à agência Lusa o presidente do município, José Calixto.

A variante, com 2,7 quilómetros de extensão, e a nova ponte sobre o rio Degebe, que ficou com 117,5 metros de comprimento, são da responsabilidade da empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP), tendo a obra sido realizada em menos de um ano.

O autarca de Reguengos de Monsaraz realçou que a concretização da obra tem "um significado muito grande" e vai permitir aos utilizadores da estrada "um suspirar de alívio", após "dezenas de acidentes graves, com perda de vidas e bens materiais".

"Era um constrangimento grave em termos de segurança rodoviária e de acessibilidades", disse, referindo que o projeto vai eliminar "nove curvas extremamente perigosas" e "uma ponte que já não respondia às necessidades".

O presidente do município notou que a atual ponte do Albardão é demasiado estreita e não permite o atravessamento automóvel em simultâneo nos dois sentidos da estrada.

José Calixto observou que a nova infraestrutura vai "influenciar positivamente o tráfego, a segurança rodoviária e o desenvolvimento económico" da região, assinalando que a EN256 está perto da fronteira de São Leonardo, uma entrada "cada vez mais significativa", e da albufeira do Alqueva.

"Há 40 anos que as pessoas lutavam pela eliminação deste ponto negro", sublinhou.

Também em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, considerou que era "uma obra absolutamente necessária por questões de segurança", porque aquele troço de estrada e a ponte provocaram "mortes ao longo de muitos anos".

"Passamos a ter, não só uma estrada mais segura, mas melhores condições para que os acessos de Espanha e para Espanha sejam melhores e, naturalmente, fica também melhorado o acesso entre Évora e Reguengos de Monsaraz", frisou.

Pinto de Sá destacou como "um exemplo de cooperação intermunicipal" a parceria estabelecida entre as câmaras de Évora (CDU) e Reguengos de Monsaraz (PS) no "desenvolvimento de esforços para resolver o problema".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon