Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"O Apocalipse segundo Fernando Pessoa e Ofélia Queirós" estreia-se quinta-feira em Lisboa

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/10/2017 Administrator

O espetáculo "O Apocalipse segundo Fernando Pessoa e Ofélia Queirós", de autoria de Paulo Borges, encenado por Miguel Babo, estreia-se quinta-feira, no Teatro do Bairro, em Lisboa, onde ficará em cena, de quinta a sábado.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a produção do espetáculo assinala que o projeto artístico "reúne várias artes -- literatura, teatro, música, canto, dança -- em torno da ideia do reencontro de Fernando Pessoa e Ofélia Queirós [por quem o poeta se enamorou], no Cais das Colunas [em Lisboa], num plano intemporal e visionário muito ligado ao imaginário de Lisboa, do Tejo e do Atlântico".

O Livro da Revelação, da Bíblia, também denominado "Apocalipse segundo São João", serviu de inspiração a este projeto artístico escrito por Paulo Borges, professor do departamento de Filosofia da Universidade de Lisboa, e autor de vários livros sobre o poeta Fernando Pessoa (1888-1935).

Ao palco do Teatro do Bairro, no edifício das antigas oficinas do Diário Popular, no Bairro Alto, em Lisboa, sobem Sara Coelho, Sandra Battaglia, Pedro Bettencourt, Rui Alexandre e Rui Peixoto, da Amalgama-Companhia de Dança, os atores Sonia Balacó, Álvaro Faria, Paulo Borges, João Damasceno e Miguel Babo, do grupo Talentilicious.

O projeto em cena conta ainda com trabalho de imagem e multimédia de Luís Fernandes, direção musical e composição original de Rui Filipe Reis, que dirige o trio Caixa de Pandora e o quarteto Vocalónimus, um ensemble formado pelos músicos Rui Filipe Reis, Cindy Gonçalves, Sandra Martins, Carlos Ançã, Raquel Oliveira, Isabel Ançã e Miguel Carvalho.

Nesta trama dramática imaginada por Paulo Borges, Ofélia revela a Pessoa "a verdade fundamental sobre o sentido do seu encontro e do amor e obtém o reconhecimento do Pessoa ortónimo e dos seus vários heterónimos", segundo a mesma fonte.

"A obra dá voz a passagens e momentos capitais da vida e obra de Pessoa e recria o episódio da Ilha dos Amores [de 'Os Lusíadas'], de Luís de Camões, em torno de Pessoa e Ofélia", assim como "aspetos fundamentais da mitologia cultural portuguesa, centrais em Fernando Pessoa, como a vocação universalista da mesma cultura para unir Oriente e Ocidente e contribuir para uma metamorfose da consciência e uma nova civilização mais fraterna em relação aos seres vivos e à Terra".

A peça "O Apocalipse sobre Fernando Pessoa e Ofélia Queirós" "nasce especificamente a pensar na cidade de Lisboa e em Fernando Pessoa, a cidade como laboratório e acolhimento da matriz do pensamento universal dirigido a todos", remata a mesma fonte.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon