Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"O polvo morre também pela boca"

Logótipo de O Jogo O Jogo 08/03/2017 Rui Trombinhas

Diretor do FC Porto critica recurso para os tribunais comuns do castigo a Luís Filipe Vieira depois do que o Benfica disse sobre o Apito Dourado

© Gerardo Santos

O FC Porto, através do seu diretor de comunicação, Francisco J. Marques, criticou, esta terça-feira, o Benfica por ter anunciado o recurso para os tribunais civis do castigo de 60 dias imposto a Luís Filipe Vieira na sequência de declarações de agosto. "Se querem que faça guerra, vão tê-la", disse o presidente do Benfica após a arbitragem do Benfica-V. Setúbal, da segunda jornada. "Esta frase é um exemplo de condicionamento. Está a colocar em causa os árbitros, a condicioná-los para o futuro. Aliás, como consequência disso, o FC Porto andou jornadas sucessivas a sofrer erros inacreditáveis. É possível estabelecer ligação a estas ameaças ao Conselho de Arbitragem", começou por dizer.

citacaoFrancisco J. Marques considera que o FC Porto foi prejudicado "em jornadas sucessivas" por causa da "guerra" prometida por Vieira ao Conselho de Arbitragem

"Quando se fala em dois presumíveis adeptos do FC Porto terem ido à Maia coagir - o termo que usaram - os árbitros, o que é este caso? É o presidente do clube, não são membros de claque nem adeptos anónimos. O Benfica gosta de encher a boca a dizer que no Apito Dourado o FC Porto foi punido na justiça desportiva e que se salvou na justiça comum. Agora, neste caso, após a estrondosa derrota no Tribunal Arbitral do Desporto há a notícia de que vai recorrer para a justiça comum. O polvo morre também pela boca. Afinal, quando lhes interessa... Isto é desmascarar o polvo no seu esplendor", referiu no programa Universo Porto da bancada. Francisco J. Marques manteve o tom crítico ao comentar outra declaração de Luís Filipe Vieira - "saímos daqui um pouco descansados" - após a reunião que pediu ao CA, no final de fevereiro. "Em agosto ameaçava guerra, em março faz a paz. Porque terá sido satisfeito nos seus desejos, é a única interpretação possível. Há muitas maneiras de condicionar os árbitros e o Benfica utiliza todas, uma delas através das pessoas que representa na Comunicação Social", acusou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon