Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

O que fez Sérgio Oliveira no Mónaco que deu razão ao treinador

Logótipo de O Jogo O Jogo 28/09/2017 Alcides Freire

Numa cartilha que deixou em Nantes, Sérgio Conceição apontou os 120 quilómetros como o número ideal para as suas equipas. O FC Porto fez 116

© Pedro Correia/Global Imagens

Sérgio Oliveira no onze titular que venceu o Mónaco foi surpresa para praticamente todos os portistas e até para os monegascos. Sem qualquer minuto somado até então, o médio dependia de uma boa exibição para justificar mais oportunidades, até porque conhecer Sérgio Conceição do Nantes não tem sido propriamente uma vantagem no momento da decisão. Subjetivamente, e para O JOGO, Oliveira foi um dos melhores em campo. De forma objetiva é mais difícil avaliar, mas há dados que provam o comprometimento do jogador e até lhe dão uma cara lavada por oposição à imagem que tem do passado. Os quilómetros percorridos são claramente um deles: Sérgio, a quem tantas vezes apontam falta de andamento, lentidão nas saídas e dificuldades sem bola, foi o segundo portista que mais correu, o segundo que mais se esforçou fisicamente.

Na tabela absoluta aparece atrás de Herrera e Danilo, mas na relação entre distância percorrida e tempo jogado, só mesmo o mexicano deu mais ao jogo do que Sérgio Oliveira, que entrou para reforçar a consistência do meio-campo e evitar que o FC Porto se expusesse tanto como contra o Besiktas, na primeira jornada da Liga dos Campeões. Correr nem é necessariamente o que marca a diferença. Aliás, no somatório dos dois jogos, Corona é quem aparece com maior média de quilómetros percorridos. E 45 dos 64 minutos que o mexicano tem foram no jogo com os turcos, em que acabou substituído ao intervalo por falta de rendimento.

citacaoão tinha sequer um minuto em campo, mas aproveitou os 86" de que dispôs para provar que mantê-lo no plantel foi uma decisão correta. Ser formado localmente ajudou a que não saísse

Curiosamente, o FC Porto terminou com 116 quilómetros percorridos. Numa espécie de cartilha que deixou em Nantes, na época passada, Conceição apontou os 120 quilómetros coletivos como a marca que definiria a melhoria dos resultados. Anteontem nem precisou de tanto. Mas não foi porque Sérgio Oliveira não se tenha esforçado para tanto... Já agora, resta dizer que o médio é o único portista inscrito nas provas da UEFA pela lista A que cumpriu formação no clube, o que lhe confere uma vaga especial. Essa foi uma das razões para ter continuado no plantel.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon