Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Obras na sede da Universidade Internacional da Terceira Idade começam depois do verão - CML

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Administrator

As obras na sede da Universidade Internacional para a Terceira Idade (UITI), situada na Rua das Flores, em Lisboa, deverão começar "logo a seguir ao verão", estimou hoje a Câmara, escusando-se a apontar uma data para o término.

"Contamos que as obras se iniciem logo a seguir ao verão", afirmou o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), na reunião pública do executivo que decorre hoje nos Paços do Concelho.

Relativamente ao fim dos trabalhos, Medina - que respondia ao vereador do CDS-PP, João Gonçalves Pereira - não se quis comprometer com uma data.

"Não posso precisar uma data para que ficarem prontas as obras, mas não creio que sejam muito demoradas", disse.

Uma vez pronto o edifício, a UITI "poderá regressar, caso seja sua vontade, às suas instalações", acrescentou o presidente, vincando, porém, que a universidade apenas poderá "ocupar o espaço que já ocupa" atualmente, e não se poderá expandir para o segundo piso, como havia requerido.

"O único compromisso assumido pela Câmara é que uma vez terminadas as obras a UITI pode voltar [à Rua das Flores] com situação regularizada", observou Fernando Medina, referindo que "não está assegurado que a expansão do espaço seja possível".

A universidade ocupa, desde a sua criação, há quase 40 anos, o rés-do-chão e o primeiro andar do prédio número 85 da Rua das Flores, espaços que se encontram degradados devido à falta de manutenção.

Em abril, a universidade suspendeu as aulas por questões de segurança, até ser encontrado um novo espaço ou a Câmara de Lisboa, proprietária do atual edifício, permitir a realização de obras.

O município sugeriu à instituição quatro possíveis alternativas, na Alta de Lisboa, junto à estação ferroviária de São Domingos de Benfica, na Avenida das Forças Armadas e na Rua Maria Andrade, tendo sido este último o escolhido pela direção da UITI.

Contudo, uma petição entregue na Assembleia Municipal informa que "as rendas técnicas apresentadas pela Câmara de Lisboa, de 4.640 euros na Rua Maria Andrade e de 7.600 euros para a Rua das Flores são absolutamente incomportáveis para a UITI, uma vez que é uma instituição sem fins lucrativos, ativa há mais de 40 anos".

Segundo declarações de janeiro do vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, as obras de reabilitação do imóvel ascendem a 190 mil euros.

A UITI fez-se representar na reunião por 15 alunos e pela primeira peticionária, Maria Isabel Serradas, que se inscreveu para intervir no período da reunião destinado ao público, mas viu-se impedida de o fazer.

Numa resposta dos serviços camarários, ao qual a agência Lusa teve acesso, lê-se que uma vez que "a UITI interveio no passado mês de maio na reunião da Câmara Municipal de Lisboa, e que o assunto está a ser tratado pela Direção Municipal de Gestão Patrimonial e a direção da UITI, neste momento não se considera oportuna a sua inscrição".

Em declarações à Lusa à margem do encontro, Maria Isabel Serradas apontou que a data estimada pela Câmara para o fim das obras seria novembro, "o que poderá não acontecer".

Maria Isabel Serradas considerou então que "existe uma incoerência que provoca alguma preocupação" à UITI.

Apesar de não intervirem hoje, a UITI antecipou que marcará presença na última reunião pública de Câmara deste mandato, que deverá ocorrer em setembro.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon