Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Oceanos: Seguradoras vão deixar de cobrir navios envolvidos em pesca ilegal

Logótipo de O Jogo O Jogo 06/10/2017 Administrator

Algumas das principais seguradoras internacionais anunciaram hoje que vão deixar de segurar navios envolvidos de forma sistemática em pesca ilegal, como forma de combater uma prática destrutiva de ecossistemas marinhos.

A Allianz Global Corporate & Specialty, AXA, Generali, Hanseatic Underwriters e a The Shipowners' Club lideraram a que é a primeira declaração do setor dos seguros dirigida à utilização sustentável dos recursos marinhos, anunciada durante a conferência Our Ocean 2017, que decorre em Malta, organizada pela União Europeia.

A declaração, que já foi assinada por 20 empresas, enuncia o compromisso das seguradoras de "não fazer seguros de navios sobre os quais haja conhecimento de envolvimento sistemático em 'pesca pirata', também conhecida como Pesca Ilegal, Não-declarada e Não-regulada" (Pesca IUU, na sigla em inglês).

"Hoje dá-se um grande passo com o compromisso das principais seguradoras em recusarem suporte financeiro à pesca pirata. Apelamos para que outras seguradoras afirmem a sua responsabilidade social e liderança na sustentabilidade juntando-se à luta contra a pesca IUU", disse o diretor executivo da organização ambientalista dedicada ao ambiente marinho Oceana Europe, Lasse Gustavsson. A Oceana foi uma das organizações que liderou campanhas que levaram à tomada de posição das seguradoras.

A tomada de posição pelas seguradoras é também enquadrada pela iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Ambiente Princípios para Seguros Sustentáveis (PSI, na sigla em inglês).

A PSI foi lançada em 2012 durante a conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável Rio+20 no Rio de Janeiro e é a principal iniciativa de colaboração entre as Nações Unidas e o setor dos seguros.

O coordenador da PSI, Butch Bacani, disse hoje na conferência Our Ocean 2017 que "ao assumirem este compromisso as seguradoras estão a demonstrar visão e liderança. Estão a deixar claro que práticas responsáveis e sustentáveis na indústria marinha e oceanos sustentáveis são inseparáveis de práticas sustentáveis assumidas pelas empresas".

Números divulgados pela Oceana Europa indicam que a pesca IUU representa a captura não-sustentável de entre 11 milhões e 26 milhões de toneladas de peixe por ano, uma atividade económica ilegal com um valor anual estimado em entre 8,5 mil milhões de euros e 20 mil milhões de euros.

A eliminação da pesca IUU até 2020 faz parte do 14.º objetivo de desenvolvimento sustentável da ONU, sobre "oceanos saudáveis".

A conferência Our Ocean 2017 reúne em Malta cerca de mil participantes, entre ministros, instituições, organizações não-governamentais, empresas e cientistas, em representação de 61 países que são chamados a anunciar compromissos efetivos, desde financiamentos a medidas legislativas, sobre proteção e utilização sustentável dos oceanos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon