Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Oito toneladas de sal colocadas à mão em tapete em honra da Senhora da Agonia

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/08/2017 Administrator

Cerca de oito toneladas de sal vão ser colocadas, manualmente, na noite de sexta-feira no tapete de uma das ruas da ribeira de Viana do Castelo, por onde vai passar, no sábado, o andor da Senhora da Agonia.

"É um trabalho muito minucioso e moroso. Para ficar perfeito só podemos utilizar colheres e espátulas para preencher de sal, tingido às cores, os mais de 21 desenhos que vão enfeitar a rua", afirmou hoje à Lusa, João Chavarria, um dos cerca de 12 elementos da organização do tapete da rua Monsenhor Daniel Machado.

Ex-trabalhador dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), João Chavarria explicou que os desenhos, com dois metros de comprimento e metro e meio de largura, "são feitos numa fina placa de madeira que, na noite da confeção dos tapetes, é colocada na rua e preenchida com sal".

João Chavarria, que há 40 anos participa naquela tradição, explicou que aquela "técnica" da confeção dos tapetes "foi criada da rua Monsenhor Daniel Machado como forma de atrair os visitantes".

"A nossa rua é estreita. Se utilizássemos os moldes em ferro, como fazem as restantes ruas que são decoradas, as pessoas não conseguiam entrar e ver o nosso trabalho", especificou, revelando que, este ano, o tema dos desenhos "pretende ser uma homenagem à ribeira de Viana e ao pintor Mário Emílio, que dedicou parte da sua obra àquela zona da cidade".

A confeção dos tapetes de sal em cinco ruas e uma alameda da ribeira de Viana realiza-se sempre na noite anterior ao dia da padroeira, 20 de agosto, feriado municipal, mobilizando centenas de pessoas, sobretudo moradores daquela zona da cidade.

No total, segundo números da VianaFestas, entidade que organiza a Romaria d' Agonia, vão ser utilizadas cerca de 30 toneladas de sal.

Como manda a tradição, é por estes tapetes que o andor da Senhora d' Agonia irá passar no regresso da também típica procissão ao mar e ao rio.

A procissão ao mar é um dos 'números' mais emblemáticos da Romaria, mas também dos mais recentes, já que se realiza, sempre a 20 de agosto, apenas desde 1968.

Já o culto em Viana do Castelo à padroeira dos pescadores tem a sua primeira referência escrita em 1744.

Nas margens, milhares de pessoas concentram-se para ver e saudar a procissão, envolvendo mais de uma centena de embarcações de pesca e de recreio.

No regresso a terra, os pescadores transportam os andores de novo à igreja, pelas ruas da ribeira onde na noite anterior foram confecionados os típicos tapetes de sal.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon