Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

ONU estima que 470 mil refugiados rohingyas no Bangladesh precisam de abrigos

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/09/2017 Administrator

A delegação das Nações Unidas do Bangladesh estimou hoje que cerca de 470 mil refugiados rohingyas precisem de ajuda internacional urgente para abrigos.

A estimativa inclui os membros desta minoria que chegaram ao Bangladesh vindos da Birmânia tanto antes como depois de 25 de agosto, quando eclodiu o último surto de violência contra esta etnia muçulmana.

Fugindo de uma campanha de repressão do exército birmanês, considerada uma limpeza étnica pela ONU, refugiados rohingya têm atravessado a fronteira para o vizinho Bangladesh, inundando este país pobre do sul da Ásia.

Segundo o documento hoje divulgado, o total de refugiados rohingya chegados ao Bangladesh desde os últimos episódios de violência ascende a 436 mil, ainda que nos últimos dias o movimento na fronteira pareça ter-se reduzido.

De acordo com a ONU, os rohingya vivem em "condições extremamente difíceis", a que se somam "traumas severos" da violência que viveram na Birmânia.

Também hoje o Alto Comissário da ONU para os Refugiados disse que o Bangladesh precisa de ajuda internacional "massiva" para fornecer víveres e abrigos a estes refugiados.

Após visitar campos onde estes refugiados se concentram, Filippo Grandi disse que assistiu a uma "generosidade local incrível", mas que é necessária "uma ajuda internacional massiva, financeira e material", já que estes refugiados "precisam de tudo", nomeadamente água potável, abrigos, víveres e instalações sanitárias.

Para tentar acelerar a distribuição da ajuda entre os refugiados, o Governo do Bangladesh tem mandado elementos do exército para os campos, para apoiar a construção de estradas para assegurar um bom acesso aos acampamentos.

Além disso, as autoridades do Bangladesh deram permissão a várias organizações não governamentais para operar no país "por um período máximo de dois meses".

O início deste êxodo em grande escala dos rohingya começou no dia 25 de agosto, quando um grupo insurgente atacou essa minoria muçulmana contra a polícia birmanesa e as posições militares.

O Bangladesh concede estatuto de refugiado apenas a uma parte pequena dos rohingyas, enquanto os restantes são considerados birmaneses sem documentos.

"Queremos que voltem para as suas terras", disse Amir Hossain Amu, ministro birmanês para a Segurança Interna.

O Bangladesh tem estado a registar os dados biométricos dos rohingya, num processo que ainda deverá demorar meses.

O Alto-Comissário da ONU para os Refugiados disse também hoje que é preciso "ajuda técnica" para que o Bangladesh consiga registar os rohingyas refugiados no seu território.

A líder birmanesa Aung San Suu Kyi garantiu, na semana passada, que está "pronta" para organizar o retorno daqueles refugiados, após verificação das suas identidades.

Na sexta-feira, as Nações Unidas disseram que necessitam de 200 milhões de dólares (167 milhões de euros) durante os próximos seis meses para enfrentar a "catastrófica" crise humanitária dos refugiados rohingyas.

Em poucas semanas, o sul do Bangladesh, que faz fronteira com a Birmânia, transformou-se num dos maiores campos de refugiados a nível mundial, à medida que refugiados rohingyas fogem da Birmânia.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon