Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ordem critica atraso na criação de Centros de Avaliação Médica e Psicológica

Logótipo de O Jogo O Jogo 20/07/2017 Administrator

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) criticou hoje o atraso na criação dos Centros de Avaliação Médica e Psicológica, considerando que os utentes dos serviços de saúde estão a ser prejudicados no atendimento.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a SRCOM exige que "o Ministério da Saúde cumpra a sua promessa de criação dos Centros de Avaliação Médica e Psicológica" (CAMP), destinados especificamente para avaliar os candidatos a condutores e gerir a emissão de atestados médicos para cartas de condução.

Os utentes dos serviços de saúde, sublinha a Ordem dos Médicos do Centro, estão a "ser prejudicados no atendimento, devido à burocracia e ao tempo necessário para os médicos de família emitirem eletronicamente os atestados necessários para a carta de condução".

"É inadmissível que o Ministério da Saúde continue a adiar o cumprimento da sua promessa e a prejudicar os utentes", criticou o presidente da SRCOM, citado no comunicado.

Para o dirigente, é "urgente que a tutela deixe de sobrecarregar o atendimento nos cuidados de saúde primários, que já sentem, no seu dia-a-dia, inúmeras dificuldades na gestão dos tempos de atendimento dos utentes".

Segundo Carlos Cortes, "entre seis a nove utentes saem prejudicados e sem atendimento médico", devido ao tempo que os profissionais gastam na aplicação informática para a emissão de atestados médicos para cartas de condução.

A 15 de maio, passou a ser obrigatória a emissão eletrónica de todos os atestados médicos para a carta de condução, recorda a nota da Ordem dos Médicos do Centro.

A 13 de julho, a SRCOM divulgou as conclusões de um questionário, ao qual responderam 506 médicos, que registava que 96% dos médicos de família não tinham os meios necessários para a emissão do atestado para carta de condução por via eletrónica.

Na altura, Carlos Cortes defendeu que os responsáveis do Ministério da Saúde deveriam suspender este novo modelo de emissão por via eletrónica até à criação dos Centros de Avaliação Médica e Psicológica (CAMP), que "foram prometidos e nunca foram criados".

A agência Lusa tentou obter, sem sucesso, um esclarecimento por parte da Direção-Geral da Saúde.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon