Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Papa pede a G20 para dar prioridade a pobres e refugiados e evitar guerras

Logótipo de O Jogo O Jogo 07/07/2017 Administrator

O papa Francisco enviou hoje uma mensagem aos países do G20, as principais economias e potências emergentes do mundo, reunidos numa cimeira em Hamburgo, para darem prioridade aos pobres e refugiados e evitarem os conflitos.

Na mensagem enviada à chanceler Angela Merkel, anfitriã do encontro, Francisco pede aos participantes "prioridade absoluta aos pobres, aos refugiados, aos sofredores, aos deslocados e excluídos, sem distinção de nação, raça, religião ou cultura" e que "rejeitem os conflitos armados".

O papa apela ainda para que seja tida em conta "a situação trágica no Sudão do Sul, na bacia do lago Chade, no Corno de África e no Iémen, onde 30 milhões de pessoas não têm comida e água necessárias à sua sobrevivência".

"Um compromisso para considerar urgentemente estas situações e dar apoio imediato a todas estas pessoas será um sinal da seriedade e sinceridade do comprometimento a médio prazo para reformar a economia" mundial, insiste Francisco.

Referindo "o vasto panorama de conflitos atuais e potenciais", reitera que "a guerra não pode ser nunca uma solução" e pede "para que se acabe com todas estas inúteis matanças".

Francisco assinala ainda que estas cimeiras "devem ter como objetivo resolver com a paz as diferenças económicas e encontrar regras financeiras e comerciais comuns que permitam o desenvolvimento integral de todos para se cumprir a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável".

Recordando que os G20 incluem um número reduzido de países, que representam 90% da produção mundial de bens e serviços, o Papa considera que tal "deve levar os participantes a uma profunda reflexão".

"Os Estados e pessoas que têm menos força na cena política mundial são precisamente os que mais sofrem os efeitos prejudiciais das crises económicas, em relação às quais têm muito pouca ou nenhuma responsabilidade", lamentou.

O terrorismo internacional, a luta contra as alterações climáticas e o comércio livre são alguns dos temas da agenda da reunião do G20.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon