Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Pasme-se, a Caixa pediu cópia dos documentos de identificação dos sócios"

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/04/2017 Alcides Freire

Os dirigentes do Leixões estão impedidos, há sete meses, de ter acesso à principal conta bancária, desconhecendo o montante ali creditado e os movimentos efetuados

A Direção do Leixões continua a queixar-se de não ter acesso à conta que o clube tem na Caixa Geral de Depósitos (CGD), continuando, assim, sem saber que fundos tem, que movimentos foram feitos pelos anteriores dirigentes e quais as verbas recebidas (quotas, patrocínios, etc.).

© Fornecido por O jogo

O caso já persiste desde que a Direção ainda geria o clube como Comissão Administrativa (CA) e prende-se com o facto de aquela entidade bancária, primeiro, não ter reconhecido a legitimidade da CA e, depois, já enquanto Direção, ter sido informada pela CGD, que "não haviam sido cumpridos os requisitos estatutários para a realização de uma assembleia geral do Clube", que viria a eleger os atuais dirigentes. O clube tudo refuta.

citacao"A anterior Direção não entregou os cartões, os códigos de acesso online, nada..."

"Às anteriores Direções nunca foram levantados estes problemas", começou por dizer, em conferência de Imprensa, o presidente Duarte Anastácio, revelando que a CGD chegou a pedir "a cópia dos documentos de identificação de todos os sócios que elegeram a CA". Sem ter tido problemas noutros bancos, Duarte Anastácio, acompanhado pelo presidente da AG, Manuel Dias, diz "não saber se se pretende estrangular financeiramente o clube ou impedir o conhecimento dos movimentos que no passado foram feitos...".

citacaoA Direção eleita está disposta a tomar medidas para combater a irredutibilidade da Caixa Geral de Depósitos em não consentir acesso à conta bancária e pondera mesmo recorrer aos tribunais

Por agora, Manuel Dias refere que aquela entidade bancária tem "no máximo, dez dias para facultar o acesso à conta ou tudo será resolvido por via judicial". Por outro lado, Duarte Anastácio, recorda que "a anterior Direção não entregou os cartões, os códigos de acesso online, nada...", ou seja, a conta poderá estar a ser indevidamente movimentada, sem que o único titular da mesma, o Leixões, tenha conhecimento ou dado autorização para tal. Do lado da CGD de Matosinhos não há qualquer esclarecimento e a gerente Carla Manuela Vieira permanece indisponível para comentar.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon